Tolentino deve cumprir pena em regime fechado

Ex-advogado das agências de Marcos Valério foi condenado por formação de quadrilha e corrupção ativa

Eduardo Bresciani , O Estado de S. Paulo

21 de novembro de 2012 | 18h25

BRASÍLIA - O Supremo Tribunal Federal (STF) aplicou nesta quarta-feira, 21, a pena de 3 anos e 8 meses de prisão por lavagem de dinheiro a Rogério Tolentino, ex-advogado das agências de Marcos Valério. A definição dessa pena tinha ficado pendente desde a semana passada por falta do voto de três ministros. Condenado também por formação de quadrilha e corrupção ativa, Tolentino recebeu penas que, somadas, chegam a 8 anos e 11 meses, o que implicaria o início do cumprimento em regime fechado.

A decisão sobre a acusação de lavagem foi prorrogada algumas vezes porque sua defesa alegou que ele foi condenado por ter realizado apenas uma operação, um empréstimo repassado a Valério. Barbosa, porém, o condenou por 46 operações junto com o empresário do ramo de publicidade.

No fim, prevaleceu a tese de uma operação apenas. Os ministros que faltaram votar, Cármen Lúcia, Gilmar Mendes e Marco Aurélio, acolheram essa tese da defesa e apoiaram a fixação de uma pena de 3 anos e 8 meses, inferior aos 5 anos, 3 meses e 10 dias propostos por Barbosa. O ministro Celso de Mello aproveitou para alterar o seu voto para também acompanhar o voto pela pena menor. A pena pecuniária foi fixada em 10 dias multa, inferior a R$ 30 mil.

Tudo o que sabemos sobre:
mensalãojulgamentoValério

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.