Dida Sampaio/AE
Dida Sampaio/AE

Toffoli vota pelo arquivamento de denúncia contra Azeredo

STF definirá se senador deve ou não responder a processo criminal por suspeita de envolvimento em mensalão

Mariângela Gallucci, da Agência Estado,

03 de dezembro de 2009 | 15h21

O Supremo Tribunal Federal (STF) retomou nesta quinta-feira, 3, o julgamento que definirá se o senador Eduardo Azeredo (PSDB-MG) deve ou não responder a processo criminal por suspeita de envolvimento no esquema do mensalão mineiro. Responsável pelo pedido de vistas que suspendeu a última sessão, no mês passado, o ministro Dias Toffoli votou pela rejeição total da denúncia do Ministério Público contra o senador. Para ele, não há qualquer indício de envolvimento do senador com o esquema.

 

O julgamento teve início no mês passado, com a leitura do relatório do ministro Joaquim Barbosa, que votou pela abertura da ação pelos crimes de peculato e lavagem de dinheiro.

 

Até às 18h40 desta quinta-feira, o Tribunal tendia pela abertura do processo, com cinco votos favoráveis e dois contrários ao relatório de Barbosa. Além do relator, os ministros Ricardo Lewandowski, Ayres Britto, Cezar Peluso e Marco Aurélio Mello votaram pelo recebimento da denúncia. O ministro Eros Grau, por sua vez, acompanhou Toffoli pela rejeição do processo.

 

Veja também

linkMarcos Valério pede afastamento de relator do mensalão

linkValério elaborou planilha do mensalão de MG, diz lobista

linkSaiba tudo sobre o mensalão mineiro, veja notícias, fotos e vídeos

 

Para o Ministério Público, porém, há indícios de que Azeredo tenha se envolvido com um esquema conhecido como mensalão mineiro.

 

Joaquim Barbosa fez algumas críticas ao voto do colega Toffoli. "Vossa Excelência está fazendo comparações impertinentes", afirmou Barbosa. Ao todo, dez ministros do STF terão que votar se aceitam ou não a denúncia apresentada pelo Ministério Público contra o senador. Se a denúncia for aceita, o processo criminal será aberto.

 

Atualizada às 18h51

Tudo o que sabemos sobre:
mensalãoEduardo AzeredoSTFjulgamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.