Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Toffoli: 'Temos de parar de esperar tudo de um representante eleito'

Presidente do STF disse que sociedade, suas organizações e lideranças também são responsáveis pela solução dos conflitos

Teo Cury, O Estado de S.Paulo

06 Novembro 2018 | 10h52

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, disse na manhã desta terça-feira, 6, que a sociedade brasileira tem de assumir suas responsabilidades, parar de esperar "tudo de um representante eleito" e se organizar para a resolução de seus problemas.

"Não podemos transferir ao Poder Judiciário todos os conflitos que existem na sociedade. Nós temos de investir numa mudança de cultura. A sociedade, através das suas organizações, das suas lideranças, também é responsável pela solução dos seus conflitos", disse Dias Toffoli. 

O ministro participou do painel "O Poder Judiciário aos 30 Anos da Constituição" no evento "Desafios constitucionais de hoje e propostas para os próximos 30 anos", promovido pela editora Fórum, que publica títulos jurídicos, em Brasília.

"Nós não podemos ficar presos àquele passado de uma sociedade escravocrata em que o Estado surgiu antes da sociedade civil. Nós já formamos uma sociedade civil extremamente pujante, forte. Somos um país com uma sociedade combativa, engajada politicamente e ciente de seus direitos."

Reformas

Em sua fala, o presidente do Supremo voltou a defender a aprovação de reformas como a da Previdência e dos sistemas tributário e fiscal. "O grande desafio que a Constituição Federal tem hoje é o de se renovar em aspectos que permitam o crescimento econômico e a responsabilidade fiscal."

Para ele, é "essencial a celebração de um pacto federativo" para evitar que "Estados e municípios cheguem a um quadro insustentável de inadimplência". Toffoli também destacou a necessidade de ampliar esforços em relação à segurança pública, que seja capaz de combater o crime organizado, a crise do sistema carcerário e o aumento da violência.

Segurança jurídica

Na avaliação do presidente do Supremo, o grande desafio do Poder Judiciário nos próximos 30 anos está na manutenção da segurança jurídica. "Transmitir à sociedade que vivemos de fato em uma nação em que os pactos são respeitados, os contratos são respeitados e as regras do jogo são garantidas."

O ministro defendeu ainda um Judiciário eficiente, transparente e responsável em tempos de redes sociais. "É importante sinalizar para a sociedade a previsibilidade das decisões judiciais. Os cidadãos não podem ter a desconfiança de que um contrato ou um pacto firmado só vai valer após uma certidão, um carimbo de trânsito em julgado."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.