ED FERREIRA/AE
ED FERREIRA/AE

Toffoli pede a senadores que aprovem indicação ao STF

Advogado-geral da União, indicado por Lula ao STF esteve no gabinete do presidente da CCJ, Demóstenes Torres

Rosa Costa, da Agência Estado, Agencia Estado

22 de setembro de 2009 | 11h33

O advogado-geral da União, José Antonio Dias Toffoli, indicado para o cargo de ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, esteve no Senado nesta terça-feira, 22, para pedir o apoio dos senadores na sabatina a que será submetido na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) no próximo dia 30.

 

Toffoli esteve nos gabinetes do presidente da CCJ, senador Demóstenes Torres (DEM-GO), e do senador Eduardo Suplicy (PT-SP). Ele também falaria com o líder do governo, senador Romero Jucá (PMDB-RR), em seu gabinete.

Ele afirmou que "já foram respondidas" as críticas de parlamentares da oposição ao fato de ter sido condenado pela Justiça de Macapá (AP), em primeira instância, por um juiz da 2ª Vara Federal que considerou ilegal a contratação do escritório do advogado para prestar serviços ao Estado do Amapá.

 

Na segunda-feira, 21, outro juiz da 2ª Vara recebeu recurso de Toffoli, o que suspendeu os efeitos da condenação até que o caso seja julgado pelo Tribunal de Justiça do Amapá.

Toffoli, de 41 anos, disse também que caberá aos senadores se manifestarem sobre o fato de não possuir mestrado e decidirem se é ou não jovem demais para assumir cargo de ministro do Supremo Tribunal.

O relator do processo de indicação de Toffoli para o STF é o senador Francisco Dornelles (PP-RJ). Ele deve apresentar seu relatório na quarta-feira, 23. Depois que o advogado tiver sido sabatinado na CCJ, a indicação de seu nome será votada pelo plenário do Senado.

 

Para ser aprovada, são necessários os votos da maioria absoluta (41) dos 81 senadores. Toffoli foi indicado por Lula para substituir o ministro Carlos Alberto Direito, que morreu no dia 1º deste mês.

 

Tudo o que sabemos sobre:
STFToffoliindicaçãoSenado

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.