Dida Sampaio / Estadão
Dida Sampaio / Estadão

Em festa após a posse, Toffoli canta música de Legião Urbana e diz: 'Não tenho medo'

O clima foi de descontração entre as autoridades dos três poderes da República, que deixaram as diferenças de lado em uma confraternização regada a vinho, champanhe, risoto e canapés

Amanda Pupo, Rafael Moraes Moura, Vera Rosa e Breno Pires, O Estado de S.Paulo

14 Setembro 2018 | 04h16

BRASÍLIA - Na festa para convidados após assumir a presidência do Supremo Tribunal Federal (STF), que se estendeu até a madrugada desta sexta-feira, 14, o ministro Dias Toffoli soltou a voz e cantou trechos de músicas como “Tempo Perdido” e “Será”, sucessos de Renato Russo, da banda Legião Urbana.

Abraçado a convidados, com microfone em punho,  Toffoli desafinou algumas vezes, mas prosseguiu e enfrentou o desafio proposto por amigos. Ao ouvir o verso “E diz mais uma vez que já estamos distantes”, ele perguntou: “Do quê?”. Logo depois, pegou o gancho da estrofe iniciada por “temos nosso próprio tempo” para repetir duas vezes “Não tenho medo”.

A badalada confraternização, que contou com show de Leo Jaime, ocorreu na casa de eventos Hípica Hall, em Brasília, e reuniu ministros do STF, do Superior de Tribunal de Justiça (STJ) e do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), além de procuradores, renomados advogados – muitos de investigados pela Lava Jato – e políticos de diferentes partidos. Conhecido por mandar soltar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva –condenado e preso pela Operação – em julho, o desembargador do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, Rogério Favreto, também estava lá.

A festa foi promovida pela Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) e os convites custaram R$ 250,00. O clima era de descontração entre as autoridades dos três Poderes da República, que deixaram as diferenças de lado por algumas horas em uma festa regada a vinho, champanhe, massas e canapés. O único presidenciável que apareceu ali foi o ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles (MDB).

Candidatos à reeleição nas eleições 2018, os governadores Márcio França (PSB), de São Paulo, e Rodrigo Rollemberg (PSB), do Distrito Federal, também foram dar um abraço em Toffoli. “Entre uma conversa e outro, estou aproveitando para pedir votos”, confessou Rollemberg.

Corintiano, o ministro do STF Alexandre de Moraes subiu ao palco para entregar a Toffoli uma camisa oficial do Palmeiras, autografada pelo time. “É triste ter que segurar isso, mas aqui está uma homenagem minha e de toda a turma de 90”, disse Moraes, desejando sucesso ao colega.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.