SERGIO DUTTI / AE
SERGIO DUTTI / AE

Toffoli critica avaliação do PSDB sobre sistema eleitoral

Segundo o presidente do TSE, no ano passado, partidos não compareceram a audiências para acompanhar desenvolvimento de sistemas das urnas; ministro, no entanto, elogiou iniciativa de tucanos e disse que avaliará propostas divulgadas

Gustavo Aguiar, O Estado de S.Paulo

05 Novembro 2015 | 10h47

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Dias Toffoli, criticou, nesta quinta-feira, 5, a acusação do PSDB sobre o acesso às informações referentes às eleições presidenciais de 2014. As considerações do partido foram divulgadas na quarta-feira, 4, e integram o relatório da auditoria realizada pela legenda nas urnas eletrônicas. 

De acordo com Toffoli, o Tribunal realiza audiências públicas para permitir que os partidos políticos acompanhem o desenvolvimento dos sistemas das urnas eletrônicas seis meses antes do pleito. "No ano passado, nenhum partido compareceu a essas audiências", lembrou o presidente do Tribunal.

Os ministros da corte endossaram a posição do presidente. Segundo o ministro Gilmar Mendes, o relatório confirmou o que o Tribunal já defendia: que as suspeitas não correspondem com a verdade e que partem de "lendas urbanas", e recomendou que o TSE estimule a realização de mais auditorias como esta. "A Justiça Eleitoral precisa tomar essa tarefa para si. Não para evitar a boataria, mas pelo menos para contribuir com o esclarecimento", defendeu. 

O ministro Herman Benjamin afirmou que as suspeitas levantadas pelo partido partem de boatos plantados por "fofoqueiros da internet". "A questão aqui não é dos fofoqueiros da internet.  Eles não têm a credibilidade dos partidos políticos", argumentou. O ministro fez ainda um apelo às legendas partidárias para que elas não alimentem os boatos e zelem pela instituição da Justiça Eleitoral.

Apesar das críticas, Toffoli elogiou a iniciativa. "O relatório foi extremamente positivo. As propostas apresentadas vão ser  avaliadas oportunamente pelo TSE, sendo que algumas já estão sendo implementadas".

Auditoria. De acordo com o relatório da auditoria do PSDB, não foi possível analisar a lisura do processo eleitoral porque o sistema é impossível de ser auditado. De acordo com o partido, o TSE se recusou a disponibilizar dados eleitorais "essenciais para a auditoria" sob o argumento de que eles eram sigilosos.

O relatório apresentado pelo partido faz ainda dez recomendações às autoridades do Tribunal para atualizar o sistema e, entre elas, indica a imediata implantação do voto impresso. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.