Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

'Todos sabem da contribuição dos nossos militares para o Brasil', diz Temer

Na semana passada, às vésperas do julgamento do STF que negou HC ao ex-presidente Lula, condenado e preso na Lava Jato, o comandante do Exército deu declarações entendidas como 'ameaça' por parte da sociedade

Carla Araújo e Tânia Monteiro, O Estado de S.Paulo

11 Abril 2018 | 17h23

BRASÍLIA - Com a presença dos comandantes das três Forças Armadas, o presidente Michel Temer afirmou nesta quarta-feira, 11, que “todos sabem da contribuição dos nossos militares para o Brasil” e que “todos sem exceção têm um papel a desempenhar”. “Estamos todos engajados na construção de um País de paz, de prosperidade, de ordem e de progresso”, disse em cerimônia de apresentação dos Oficiais Generais promovidos, no Palácio do Planalto.

Temer voltou a dizer que “em muitos rincões do país, as Forças Armadas são a única manifestação concreta da presença do Estado”. “Por isso que eu digo que muito naturalmente cabe as nossas três Forças, também nos termos da Constituição Federal, a tarefa de Garantia da Lei e da Ordem”, disse o presidente, ressaltando que nos últimos tempos diversos estados solicitaram a presença das Forças Armadas por meio da lei de Garantia e da Ordem (GLO).

++ Exército defende declarações de general Villas Bôas no Twitter

++ Regulamento proíbe militares de se manifestar publicamente sobre assuntos políticos

Na semana passada, o comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, causou polêmica na véspera do julgamento no Supremo Tribunal Federal do recurso contra a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado e preso na Lava Jato, o que foi interpretado por alguns como pressão no STF. Em mensagem no Twitter, Villas Bôas disse o Exército compartilhava o “anseio de todos os cidadãos de bem de repúdio à impunidade" e disse estar atento às suas missões institucionais.

O presidente usou o caso do Rio de Janeiro, que está sob intervenção federal na área de segurança, e afirmou que no Estado “temos tido mais um corajoso testemunho do profissionalismo e da abnegação dos nossos homens e mulheres de farda”. “São militares que estão nas ruas, avenidas, nas comunidades, cumprindo seu dever”, disse.

Temer afirmou ainda que “ninguém tem a ilusão de que uma medida específica, por mais bem planejada e abrangente que seja, vai solucionar da noite para o dia problemas que são antigos e estruturais”. “Mas o fato é que a ação das Forças Armadas no Rio de Janeiro, em coordenação estreitíssima com autoridades locais, já mostra resultados e confirma nossa convicção de que juntos seremos capazes de vencer aqueles que perturbam a tranquilidade e ameaçam o futuro dos brasileiros”, completou.

++ ‘Declarações fogem do esquadro constitucional’, diz Ayres Britto sobre comentários de general

Promoção

Na cerimônia desta quarta-feira foram promovidos no total 69 oficiais-generais, sendo 18 da Marinha, 36 no Exército e 15 na aeronáutica. Temer chegou acompanhado do ministro da Defesa, Joaquim Silva e Luna, e da esposa do ministro. A primeira-dama, Marcela Temer, embora seja praxe estar presente, não compareceu a cerimônia.

No início de sua fala, o presidente afirmou que tinha a honra de participar mais uma vez de uma solenidade de promoção de oficiais-generais, destacou a importância das famílias dos militares e completou a fala ressaltando que “a promoção traz responsabilidades acrescidas”.

Temer citou que está na Constituição que as Forças Armadas são instituições permanentes e destacou ainda que são forças que “cumprem com sua missão de proteção”. “Prestigiamos a competência, a dedicação e o patriotismo dos nossos oficiais-generais. Atributos testados e comprovados ao longo de décadas de serviços prestados à nação”, afirmou.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.