Todo País perde se reforma não for votada, diz Bernardo

Ministro do Planejamento afirmou ser 'vital' a aprovação da reforma por servir como um 'sinalizador positivo'

EVANDRO FADEL, Agencia Estado

28 de novembro de 2008 | 15h35

O ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão, Paulo Bernardo, disse nesta sexta-feira, 28, em Curitiba, que deixar de votar a reforma tributária será um "péssimo sinal" e "uma perda para o Brasil todo". "Num momento como este nós deveríamos dar uma sinalização efetiva de que nós queremos simplificar os tributos, abrir espaço para diminuir a carga tributária, dar uma racionalidade no trabalho dos empresários que têm que enfrentar essa barafunda de legislações do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços) e acabar com a guerra fiscal", disse. Veja Também:  Veja os principais pontos da reforma tributária  Leia a íntegra da proposta que tramita na Câmara  Em palestra a empresários reunidos no Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico do Paraná (Sindimetal), em que analisou a conjuntura econômica brasileira em relação à crise internacional, ele afirmou ser "vital" a aprovação da reforma por servir como um "sinalizador positivo", apesar de acentuar que não vai provocar uma "mudança mágica". "As pessoas movem-se também em relação às expectativas", disse.Bernardo mostrou certa irritação com as discussões que têm sido feitas em torno do tema. "Se a gente ficar no lenga-lenga, se ficar no diz-que-diz-que, nós não vamos votar nada e provavelmente não vai acontecer votação no ano que vem e na próxima década também não", afirmou. "Devíamos colocar para a votação e aí o País observaria quem é a favor e quem é contra, eu tenho certeza que a maioria do Congresso é a favor."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.