'Toda unanimidade é burra', diz Dilma sobre vaias a Lula

Para ministra da Casa Civil, protesto contra o governo veio de 'pequenos grupos, enquanto milhares aplaudiam'

Tiago Décimo, do Estadão

27 de julho de 2007 | 18h41

A ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Roussef, minimizou nesta sexta-feira, 27, no Piauí,  as manifestações contrárias ao governo federal feitas, entre quinta e sexta-feira em Aracaju (SE), João Pessoa (PB) e Natal (RN). "Não vejo mistério nenhum na vaia ou no aplauso. Toda a unanimidade é burra - e é bom que as pessoas possam se expressar", disse. "Mas é bom que se diga que fomos vaiados por pequenos grupos, enquanto milhares nos aplaudiam."   Veja Também:   Lula tenta fugir, mas é vaiado em Natal Apesar da blindagem, Lula é vaiado ao lançar PAC em Aracaju     A ministra sentiu os efeitos da série de viagens às capitais do Nordeste, onde o presidente Luiz Inácio Lula da Silva anunciou investimentos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Por duas vezes, ela chamou o Piauí de Paraíba, causando risos e certo desconforto na platéia de cerca de 2 mil pessoas.   Rapidez no PAC   Sobre o PAC, Dilma prometeu que vai cobrar rapidez na realização das obras previstas. "Caso notemos que as obras estejam paradas, ou em velocidade menor que a possível, sem nenhuma justificativa, vamos transferir os recursos alocados para outras obras", prometeu.   "Não queremos dinheiro parado."  

Tudo o que sabemos sobre:
LulavaiasDilmaPAC

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.