TJ-SP revoga pedido de prisão da primeira-dama de Campinas

Ex-chefe de Gabinete do município, Rosely Nassim dos Santos era considerada foragida da Justiça

Tatiana Favaro / CAMPINAS, O Estado de S.Paulo

14 de junho de 2011 | 16h24

O Tribunal de Justiça do Estado São Paulo (TJ-SP) revogou a prisão preventiva da primeira-dama e ex-chefe de Gabinete de Campinas, Rosely Nassim dos Santos, pedida pelo Ministério Público e concedida pelo juiz da 3ª Vara Criminal da cidade, Nelson Bernardes, na sexta-feira, 10.

 

Rosely é considerada o centro da suposta organização criminosa investigada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) e foi acusada em denúncia oferecida à Justiça, junto ao vice-prefeito Demétrio Vilagra e ex-secretários, funcionários públicos e empresários, dos crimes de formação de quadrilha, corrupção passiva e fraudes em licitações.

 

O contramandado de prisão foi assinado na noite de segunda-feira, 13, pelo desembargador da 15ª Câmara de Direito Criminal Poças Leitão, que já havia assinado habeas corpus preventivo que impedia a primeira dama de ser presa. Rosely era considerada foragida da Justiça até esta segunda-feira.

 

Dos sete mandados de prisão assinados pelo juiz campineiro, apenas dois foram cumpridos até esta terça-feira: o do ex-secretário de Assuntos de Segurança Pública, Carlos Henrique Pinto, e de Marcelo de Figueiredo, ex-diretor da Sanasa, a empresa de saneamento de Campinas e foco das investigações do Ministério Público até o momento.

Tudo o que sabemos sobre:
CampinasescândaloHelioprimeira-dama

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.