TJ-RJ anuncia primeiros juizados noturnos

Às vésperas dos blecautes programados para economizar energia, o presidente do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ), desembargador Marcus Faver, anunciou a criação dos primeiros juizados noturnos do País, que vão funcionar das 18 às 23 horas, na capital e em cidades do interior do Estado, a exemplo dos existentes em países como os Estados Unidos, Inglaterra e França.O desembargador não teme os cortes de energia. Para ele, os novos juizados se justificam porque "o mundo não pára quando anoitece." "Muitas vezes, a população precisa da Justiça à noite ou de madrugada e não recebe esse tipo de serviço", disse. O presidente quer criar tribunais de primeira e segunda instâncias, com desembargadores trabalhando para atender ocorrências que surgem durante a noite.A idéia inicial, de acordo Faver, é fazer um rodízio entre os magistrados. Não está descartada a idéia de os juizados noturnos funcionarem no período da madrugada. A pedido do presidente do TJ-RJ, um desembargador está na França recolhendo informações sobre os tribunais noturnos que existem lá. Estuda-se ainda a ampliação do horário de funcionamento do Fórum do Rio, que, atualmente, é de 11 às 16 horas. Faver quer os fóruns central e regionais funcionando pelo menos de 9 às 17 horas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.