TJ libera acusados de depredar fazenda da Cutrale

Seis militantes do MST foram soltos; habeas corpus beneficia outros 13 que estavam foragidos

José Maria Tomazela, Agência Estado

10 de fevereiro de 2010 | 20h51

O Tribunal de Justiça (TJ) de São Paulo mandou libertar no início da noite desta quarta-feira, 10, os seis militantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) presos desde 26 de janeiro, acusados de liderar a depredação da fazenda Santo Henrique, da Cutrale, em outubro do ano passado. O desembargador Luiz Pantaleão, que deu a ordem de soltura, acatou o argumento de advogados do MST de que não persistiam os fundamentos para que os acusados fossem mantidos presos.

 

Entre os beneficiados estão o coordenador do MST na região, Miguel da Luz Serpa, e sua mulher, a vereadora Rosemeire de Almeida Serpa, do PT de Iaras (SP). O habeas corpus beneficia outros 13 militantes que tiveram as prisões decretadas, mas estavam foragidos. O desembargador Pantaleão já havia mandado soltar, segunda feira, o ex-prefeito de Iaras, o petista Edilson Granjeiro Xavier, de 63 anos, acusado de participar da invasão. Os acusados irão responder em liberdade a processos por crimes como danos e formação de quadrilha.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.