TJ investiga comunicado satírico publicado no D.O.

O Tribunal de Justiça abriu investigação para apurar a autoria de um falso comunicado, de caráter provocativo, publicado no Diário Oficial de 2 de abril, bem como a maneira como foi inserido na imprensa oficial. O "comunicado", atribuído ao presidente do TJ, desembargador Sérgio Nigro, publicado na página 457 do terceiro caderno, afirma que os funcionários do Judiciário "recebem altíssimas remunerações pelo trabalho de péssima qualidade que desempenham". Além disso, ?são, na maioria das vezes, mal preparados, desqualificados e, por que não dizer, muitos até analfabetos".Quanto aos magistrados, são descritos como possuidores de "notável saber jurídico e reputação ilibada", que fazem jus aos subsídios que recebem.Acrescenta o falso comunicado que "não haverá economia e esforço para que a massa de baderneiros e desidiosos servidores pague centavo por centavo" os prejuízos causados pela última greve.Anuncia, como primeira punição, que todos os funcionários que usam computadores de propriedade particular, o que ocorre em 80% dos fóruns da capital e interior, estão intimados a doar seus equipamentos ao TJ.O presidente do TJ, no comunicado nº 43, publicado dia 17 no Diário Oficial esclarece que "o referido ato não emanou desta presidência, ostentando conteúdo falso, sendo que já foram adotadas medias necessárias visando identificação do autor do texto e a maneira pelo qual foi realizada sua indevida veiculação pela imprensa oficial".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.