Tinha certeza que o Pagot não iria mentir, diz Bernardo

O ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, disse hoje que, desde o início, achava que as declarações atribuídas ao diretor-geral do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), Luiz Antônio Pagot, a seu respeito não eram verdadeiras.

EDUARDO RODRIGUES, Agência Estado

13 de julho de 2011 | 13h05

"Desde o início, achava que isso era conversa fiada", disse o ministro, ao ser questionado sobre os boatos de que Pagot teria dito a parlamentares que era ele, Paulo Bernardo, enquanto ministro do Planejamento, quem pedia aditamentos em obras do DNIT.

Segundo Paulo Bernardo, os jornais publicaram apenas informações atribuídas a fontes que não quiseram se identificar, mas Pagot não confirmou nenhuma delas em seus depoimentos no Congresso Nacional. "Vocês (jornalistas) têm que questionar as fontes. Eu tinha certeza de que o Pagot não iria mentir", disse Paulo Bernardo.

Antes do depoimento de Pagot a comissões do Senado e Câmara, circularam boatos de que o diretor-geral do DNIT, atualmente de férias do cargo, poderia comprometer Paulo Bernardo e o governo. No entanto, ao comparecer ao Congresso, Pagot tratou o caso como "invencionice" e "factoide" e defendeu o ministro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.