Tião Viana vai para Brasília acompanhar apuração

O senador Tião Viana (PT-AC), eleito governador do Acre no primeiro turno das eleições, votou na manhã deste domingo na Escola Mário de Oliveira, localizada no centro de Rio Branco, acompanhado pelo irmão e senador eleito Jorge Viana (PT-AC) e pelo atual governador do Estado, Binho Marque (PT-AC). Após votar, Tião Viana segue para Brasília acompanhado pelo governador Binho Marques.

NAYANNE SANTANA, Agência Estado

31 de outubro de 2010 | 15h52

O futuro governador confirmou voto em Dilma Rousseff (PT), ressaltando que as expectativas para a vitória da candidata do governo à Presidência da República são as melhores possíveis. Para Tião Viana, o Brasil merece a oportunidade de viver essa grande mudança que está vivendo. Na avaliação dele, o povo brasileiro está sendo acolhido pelo presidente Lula, que mudou a história do País.

"A Dilma é quem pode continuar esse abraço ao povo brasileiro falando de um novo Brasil, com menos desigualdade, com desenvolvimento regional, mais justiça social", observou o governador eleito.

Referendo. Autor da lei que modificou o fuso horário do Acre, como era esperado, Tião Viana votou em favor da manutenção do atual horário do Acre, que em 2008 fez com que a população acreana adiantasse em uma hora os relógios para se ajustar ao novo horário. "O referendo eu votei 55. Fui o autor da lei e fiz o melhor que pude pelo Acre e tenho certeza que a população vai entender que ganhamos uma hora", afirmou.

Para o senador, as desvantagens com a mudança de horário são menores que as vantagens. Garantindo ter confiança na vontade divina, Tião Viana acredita na vitória do "Sim", neste referendo. "Se Deus quiser, haverá consciência da população que é um ajuste que o mundo inteiro teve e o Acre tinha o direito de fazê-lo também. Agora que fique o julgamento popular sobre esse momento", concluiu o senador.

Tudo o que sabemos sobre:
eleições

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.