Tião Viana negocia prorrogação do tributo

No primeiro dia como presidente interino do Senado, o senador Tião Viana (PT-AC) vestiu o figurino desejado pelo Planalto e entrou em campo para negociar a prorrogação da CPMF e avisou, pelo menos de público, que não quer a presidência da Casa. "Eu espero que as diferenças ideológicas sejam preservadas, as convicções sejam mantidas, as críticas sejam apresentadas, mas que nós não tenhamos um comportamento passional de divisão ou enfraquecimento da instituição. O Brasil precisa de uma resposta do Poder Legislativo sobre a CPMF. E nós temos que dar a resposta como Poder Legislativo, independente das divergências, das vontades. O que deve prevalecer é o respeito à decisão da maioria", disse Viana. O presidente interino disse que vai procurar a senadora Kátia Abreu (DEM-TO), relatora da CPMF na Comissão de Constituição e Justiça, para que promova tramitação rápida da matéria. Hoje, Viana fará reunião com líderes dos partidos sobre o assunto.Confrontado com a realidade de que a senadora é contra a prorrogação do imposto, respondeu: "É um direito dela e tem que ser tratado como um gesto de coerência com as convicções partidárias e ideológicas dela. Não há nenhuma novidade nem preocupação com isso. Mas não quer dizer que não se possa conversar com os líderes partidários e se achar uma saída que facilite o direito da sociedade de ter a votação dessa matéria. Se não votarmos este ano, já começaremos janeiro com prejuízo de R$ 3 bilhões."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.