Thomaz Bastos afirma que houve conspiração contra o governo

O ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, afirmou, em entrevista coletiva, que o governo ficou "estarrecido" com o conteúdo da fita na qual o subprocurador-geral da República, José Roberto Santoro, pressiona o empresário de jogos de azar, Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, para lhe entregar uma gravação relacionada ao ex-assessor da Presidência da República, Waldomiro Diniz. Thomaz Bastos disse que houve uma espécie de "conspiração" e o que se verificou foi que o integrante do Ministério Público Federal pretendia atingir o governo."O que se verificou é que se pretendia ´ferrar´ (um dos termos usados na gravação) o ministro José Dirceu e o governo Lula", afirmou Thomaz Bastos. Ele disse que Santoro não era o promotor natural do caso, o que é uma ilegalidade. "O governo considera este um caso muito grave, com conteúdo de conspiração. Mas temos a certeza de que o procurador-geral da República, Cláudio Fontelles, vai apurar o fato de todas as maneiras", disse.Para ler mais sobre a fita em que o subprocurador Santoro conversa com o bicheiro Cachoeira: TV mostra fita em que subprocurador conversa com bicheiro sobre Waldomiro MP investigará subprocurador que conversou com bicheiro PSDB usa fita do subprocurador como argumento a mais para criar a CPI do caso Waldomiro CPI é luta política, diz o Professor Luizinho Ministro da Justiça reúne assessores para discutir o caso da fita Senador Tuma estranha atitude do subprocurador Lula diz que conversa do subprocurador é "fato muito grave" Para deputados tucanos, atitude do subprocurador é normal

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.