Thame se elege e defende Alckmin para Prefeitura

O PSDB realizou ontem convenção em São Paulo para eleger seu presidente no Estado, o Diretório e a Executiva do partido, mas nos bastidores o assunto predominante foram as eleições municipais de 2008, com foco especial para a sucessão na capital. Geraldo Alckmin, ex-governador, recebeu apoio.Ele foi saudado por tucanos de Guarulhos e Carapicuíba. "Se o candidato for Alckmin, existe unanimidade no partido, não há o que discutir", disse o deputado Antônio Carlos Mendes Thame (PSDB-SP), eleito presidente estadual dos tucanos. "Se não for, abre-se imenso campo para negociação, inclusive com o DEM."Alckmin, porém, buscou esquivar-se, pelo menos no discurso. Ao ser indagado se pretende concorrer à sucessão de Gilberto Kassab (DEM), caso o partido aclame seu nome, ele disse: "Cada coisa vem a seu tempo. É decisão para o ano que vem."Alckmin pregou harmonia. "A unidade é necessária e o PSDB está dando bons exemplos, na eleição do diretório municipal e na eleição estadual." Só do governador José Serra ele não teve apoio explícito na reunião. "Sucessão municipal é coisa para o ano que vem, tá bom?", disse Serra."É impensável imaginar que o PSDB não tenha candidato em São Paulo, particularmente quando temos um pré-candidato do porte de Alckmin", anotou o deputado Antônio Carlos Pannunzio, líder do governo na Câmara. A convenção reuniu mais de 2 mil delegados na Assembléia Legislativa. Thame foi eleito por consenso, porque não havia chapa de oposição. Ele já ocupava a cadeira desde janeiro. Era vice e assumiu o cargo máximo quando Sidney Beraldo, presidente, afastou-se para integrar o secretariado de Serra.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.