Terras no Pontal só para cadastrados, avisa secretário

O secretário de Justiça de São Paulo, Alexandre Moraes, afirmou hoje que não existe nenhuma possibilidade de assentamento para as famílias que estão sendo atraídas pelas organizações dos sem-terra para a região do Pontal do Paranapanema. "Não adianta ir acampar no Pontal porque não serão assentadas", alertou. De acordo com suas explicações, a reforma agrária em andamento só beneficiará pessoas já cadastradas pelo Instituto de Terras do Estado (Itesp) e que cumprem os requisitos legais - entre eles a comprovação de que reside há pelo menos dois anos na área.Moraes também disse que as autoridades do Estado investigam o esquema de financiamento da viagem das famílias para o Pontal. "Essas pessoas não vêm do Paraná, do Mato Grosso, e de outros lugares com dinheiro próprio: elas recebem dinheiro para transporte e alimentação", afirmou. "Estão se formando verdadeiras quadrilhas para fomentar invasões."As declarações do secretário foram feitas após um encontro com seis prefeitos daquela região. Eles pediram ao governo estadual que os ajude a enfrentar o impacto que os novos acampamentos estão causando na vida e nas contas dos municípios - especialmente nas áreas de saúde, educação e assistência social. Saíram com a promessa de que receberão a ajuda, mas após uma nova reunião no dia 15, com a presença de outros secretários de governo, para a definição de prioridades.Com a promessa de ajuda do governo, os prefeitos assumiram o compromisso de suspender qualquer tipo de ação para chamar a atenção para o problema - como a do prefeito de Sandovalina, que suspendeu por dois dias o funcionamento de todas as instituições públicas da cidade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.