Termina prazo dado para PMs desocuparem Brigada

O general Rubem Peixoto Alexandre, da 30ª Brigada de Infantaria Motorizada de Goiânia (GO), afirmou em nota oficial, que terminou às 20 horas de hoje o prazo de 24 horas para que os policiais militares em greve no Estado de Tocantins acabem com o movimento e se retirem das instalações do 1º Batalhão da Polícia Militar (1º BPM), nesta capital, onde estão aquartelados com 120 mulheres e 140 crianças. Segundo o general Alexandre, será garantida a integridade física de todos os PMs que queiram se entregar pacificamente. São cerca de 800 os soldados grevistas da PM que estão no Primeiro Batalhão - eles continuam fortemente armados e já teriam cravado até trincheiras dentro da guarnição. Desde o início da noite de hoje, o Exército está impedindo a entrada e a saída de qualquer pessoa do Primeiro Batalhão, e 13 soldados PMs foram presos nas imediações do Aeroporto de Palmas por estarem à paisana, mas armados. O Exército cercou com arame farpado parte do aeroporto local, e todos os que chegam ou saem da capital de Tocantins passam por severa revista por soldados do Exército de Brasília, da Unidade de Paraquedistas do Rio de Janeiro e da Brigada de Infantaria Motorizada de Goiás. Na noite de hoje, a Justiça de Tocantins expediu medida liminar determinando que todas as crianças sejam retiradas do quartel do Primeiro BPM.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.