Termina manifestação do MLT na sede do Incra em Salvador

Os manifestantes do Movimento de Luta Pela Terra (MLT) que ocupavam, desde a terça-feira, a área na frente da sede da Superintendência Regional do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), em Salvador, e os que invadiram o prédio do órgão em Itabuna, a 429 quilômetros ao sul da capital baiana, na quarta-feira, decidiram concluir as manifestações nesta quinta-feira.Eles tiveram a promessa de representantes do Incra que o órgão promoveria a vistoria em cinco fazendas do Estado e liberaria verbas para os assentamentos. Os manifestantes reivindicavam que o Incra vistoriasse 60 fazendas baianas - muitas delas já ocupadas pelos sem-terra.Segundo a direção do MLT, a saída dos integrantes do movimento dos prédios do Incra não significa que vai haver diminuição no ritmo das invasões de terras. "Sem pressão, a reforma agrária não anda", acredita o coordenador regional do MLT no sul do Estado, Davidson Vieira. O movimento ameaça invadir 38 áreas consideradas improdutivas até abril.Segundo dados do Incra, há, hoje, ocupações de sem-terra em 80 fazendas baianas. Cerca de 33 mil famílias moram nas áreas invadidas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.