Terceira morte por leishmaniose é registrada em Araçatuba

A terceira morte causada pela leishmaniose visceral, somente neste ano, na região de Araçatuba, 530 quilômetros a noroeste de São Paulo, foi confirmada nesta quarta-feira pela Direção Regional de Saúde, órgão da Secretaria Estadual da Saúde. A nova vítima fatal da doença foi a aposentada Maria Tereza de Oliveira, de 69 anos, que morava no bairro Nossa Senhora Aparecida, em Araçatuba.No mesmo bairro morava o também aposentado Armando Zucon, de 67 anos, que morreu no dia 1º de janeiro, por causa da mesma doença. No dia 10, morreu a recém-nascida Ingrid Cristina Nascimento Ramos, de apenas seis meses, que morava no município de Valparaíso, a 50 quilômetros de Araçatuba.A região de Araçatuba é a única do Estado com casos de leishmaniose visceral em humanos. Desde o reaparecimento da doença, em 1999, já morreram 20 pessoas, de um total de 197 contaminadas. Na tentativa de conter a epidemia, a Prefeitura de Araçatuba está multando moradores que não limpam seus quintais.A limpeza é necessária para evitar a proliferação do vetor da doença, um inseto conhecido como mosquito-palha ou birigüi, que se desenvolve em matéria orgânica em decomposição. De janeiro para cá, 67 moradores já foram multados. O valor da multa é de um salário mínimo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.