Evaristo Sá/AFP
Evaristo Sá/AFP

Teorias conspiratórias sobre urna eletrônica têm adesão além do campo bolsonarista; leia análise

Será que essas alegações sem fundamento podem ser aceitas por parte do eleitorado? Infelizmente a resposta é sim

Pablo Ortellado*, O Estado de S.Paulo

31 de julho de 2021 | 05h00

O presidente Jair Bolsonaro tinha prometido apresentar provas de que as urnas eletrônicas foram fraudadas nas eleições de 2014 e 2018. Na sua transmissão o que apresentou, porém, foram teorias conspiratórias que circulam há muito tempo na internet. O TSE foi ágil e publicou contestações a todas elas. Mas será que essas alegações sem fundamento podem ser aceitas por parte do eleitorado? Infelizmente a resposta é sim.

A eficácia da máquina de propaganda bolsonarista se deve a três motivos. O primeiro é que trabalha para desmontar a confiança nas instituições. Como a Justiça Eleitoral e o jornalismo estariam tomados pelo inimigo, suas posições são consideradas enviesadas e sem credibilidade, abrindo espaço para explicações alternativas. 

O segundo trunfo do bolsonarismo é apelar para teorias conspiratórias, a crença de que processos complexos são explicados por uma orquestração oculta de elites poderosas, quando explicações mais plausíveis são oferecidas por autoridades epistemológicas como o jornalismo ou as ciências sociais. A ideação conspiratória tem adesão significativa na população e vai além do campo bolsonarista.

Finalmente, a máquina bolsonarista explora o viés de confirmação, a disposição psicológica que faz com que tendamos a aceitar acriticamente afirmações que confirmam nossas crenças e a rejeitar afirmações que as contestem. Esse viés é tanto maior quanto mais arraigadas forem as convicções. Assim, em um ambiente polarizado, alegações especulativas e implausíveis são aceitas por quem já aderiu à visão de mundo bolsonarista.

*PROFESSOR DE GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS NA USP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.