Estadão
Estadão

'Teori não era apenas um colega, era um amigo', diz Gilmar Mendes

Gilmar está de férias em Lisboa e confirmou que voltará ao Brasil na sexta-feira, 20; Teori morreu em queda de avião em Paraty

Breno Pires, Isadora Peron e Julia Lindner, O Estado de S.Paulo

19 de janeiro de 2017 | 19h42

Brasília - O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF) e presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), de férias em Lisboa, disse que não tem "a menor condição de falar" sobre a morte de Teori Zavascki.

"Ele não era apenas um colega. Eu era amigo dele. Muito, muito. Não tenho condições de falar", disse o ministro ao Broadcast, tentando conter o choro. Gilmar Mendes confirmou que voltará na sexta-feira, 20, ao Brasil.

Além do STF, Teori fazia parte do quadro do TSE na condição de juiz substituto. Ele estava no segundo biênio no Tribunal Superior Eleitoral.

TSE. O Tribunal Superior Eleitoral divulgou uma nota de pesar afirmando que a morte do ministro Teori Zavascki abre uma "lacuna irreparável no Judiciário nacional". No texto, a instituição afirma que todos os ministros e servidores do TSE estão "profundamente abalados" com a notícia do falecimento de Teor e se solidarizam com os seus familiares.

Na nota, a assessoria do TSE destaca que Teori exercia o cargo de ministro substituto no tribunal desde março de 2014. "A experiência e excepcional capacidade como magistrado, a seriedade e a cordialidade no convívio eram suas principais características, sumamente reconhecidas por todo o meio jurídico e acadêmico", diz. O texto afirma ainda que Teori "sempre contribuiu, com atuação discreta e efetiva, para o engrandecimento da instituição".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.