Tentativas de fraude em Alagoas se repetem

Pelo menos 10 pessoas foram detidas ontem em Alagoas acusadas de compra de votos e perturbação da ordem, nas eleições suplementares que foram realizadas em quatro cidades do Estado. As novas eleições nas cidades de São José da Laje, Porto Real do Colégio, Estrela de Alagoas e Porto de Pedras foram marcadas após o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) indeferir as candidaturas dos prefeitos eleitos em outubro do ano passado. Os candidatos cassados foram acusados de improbidade administrativa, fraude eleitoral, compra de voto e abuso do poder econômico. Ontem, quando os 47 mil eleitores voltaram às urnas para decidir entre oito candidatos, mais de 500 policiais tiveram de atuar para coibir novas fraudes. Em Porto de Pedras, por exemplo, um motorista de ambulância foi preso na madrugada quando ia com R$ 1 mil (em notas de R$ 10, R$ 20 e R$ 50) até a casa do candidato Amaro Rocha Júnior (PTB), apoiado pelo ex-prefeito Rogério Farias (PTB) - irmão de PC Farias e do deputado Augusto César Farias (PTB-AL). O candidato Ednaldo Costa (PDT) disse que foi prejudicado pela compra de votos, praticada por cabos eleitorais do adversário. Costa foi derrotado por uma diferença de 58 votos.Ele, que é ex-prefeito do município, foi o segundo colocado em outubro, mas como não conseguiu metade dos votos válidos não foi considerado eleito. A eleição local foi anulada porque o ex-prefeito Rogério Farias, reeleito em outubro, foi acusado de compra de votos. Em São José da Laje, venceu Márcio Lyra (PP). Ele derrotou o adversário Marcos do Hospital (PTB) por 362 votos.Na cidade, houve novas eleições porque o ex-prefeito Paulo Pereira (PTB), que se reelegera em outubro, teve a candidatura impugnada por abuso de poder econômico e compra de votos. Desta vez, o Tribunal Regional Eleitoral chegou a solicitar ajuda da Polícia Federal para evitar tumultos.No município de Estrela de Alagoas, o candidato José Almerino (PP), apoiado pela ex-prefeita Ângela Garrote (PP), foi o vitorioso. Os 12 mil eleitores voltaram às urnas porque Ângela, reeleita em outubro, teve a candidatura impugnada por fraude eleitoral.Em Porto Real do Colégio, a eleita foi Rita Bonfim (PTB). Os 13,4 mil eleitores tiveram de votar novamente porque a reeleição do ex-prefeito José Reis do Nascimento (PSDB) foi invalidada. Ele foi acusado de atos de improbidade administrativa e teve seu registro de candidatura cassado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.