Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Tentativa de invasão termina com 8 feridos a bala em Alagoas

MST alegou demora na desapropriação e tentou reocupar a Fazenda Lagoa Comprida

Ricardo Rodrigues, O Estadao de S.Paulo

28 de fevereiro de 2008 | 00h00

Oito trabalhadores rurais ligados ao Movimento dos Sem-Terra (MST) foram feridos na manhã de ontem, durante a invasão à Fazenda Lagoa Comprida, no município de Piranhas, a 280 quilômetros de Maceió (AL).A propriedade vem sendo negociada com o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) para fins de reforma agrária, mas, com a demora do processo, os sem-terra decidiram invadi-la.De acordo com o ouvidor agrário estadual, Marcos Bezerra, o processo de desapropriação da área está bastante adiantado. No ano passado, os trabalhadores rurais ocuparam a propriedade e foram convencidos, após negociação com representantes do Incra de Alagoas, a deixar a fazenda. Eles instalaram, então, um acampamento na região.No começo da manhã de ontem, aproximadamente 40 famílias de sem-terra tentaram reocupar a propriedade e foram recebidas a tiros por 12 funcionários do fazendeiro Jorge Fortes, que acabou preso pela Polícia Civil na delegacia local. Além de policiais civis, militares também estiveram no local para ajudar a conter o conflito. O clima, no entanto, ainda é tenso na região.Dos oito trabalhadores rurais feridos na tentativa de invasão, um deles foi encaminhado em estado grave para a Unidade do Agreste, na cidade de Arapiraca, onde continua internado. A identidade dos sem-terra não foi divulgada.PRESSAO ouvidor agrário estadual, Marcos Bezerra, disse que a superintendência do Incra em Alagoas entrou em contato com as autoridades oficiais para pedir celeridade no processo de desapropriação da área. O confronto entre os funcionários da fazenda e os sem-terra deve ser informado à Ouvidoria Agrária Nacional, para que providências sejam tomadas.Segundo dados da Comissão Pastoral da Terra (CPT), Alagoas é o Estado que mais registra conflitos agrários, no Nordeste, com 22 casos de agressões físicas. No ranking nacional, é o quinto com mais problemas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.