Reprodução
Reprodução

'Tentar impor nossa vontade é o que menos precisamos', diz comandante da FAB

Tenente-brigadeiro do ar Nivaldo Luiz Rossato soltou nota nesta manhã em que diz a seus subordinados que não se 'empolguem a ponto de colocar convicções pessoais acima das instituições'

Felipe Frazão, Tânia Monteiro e Carla Araújo, O Estado de S.Paulo

04 Abril 2018 | 12h08

O comandante da Aeronáutica, tenente-brigadeiro do ar Nivaldo Luiz Rossato, divulgou boletim interno à Força Aérea Brasileira nesta quarta-feira, 4, no qual afirma que "o Brasil está prestes a viver um dos momentos mais importantes da sua história", uma referência ao julgamento do HC do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva hoje no STF. Na mensagem, ele faz comentários "diante de repercussões midiáticas sobre o contexto atual do País"  e alerta que o povo está “polarizado”. 

++ AO VIVO: STF define futuro de Lula

++ Declaração de Villas Bôas expressa posição do alto comando do Exército

A publicação ocorreu um dia depois de o comandante do Exército, general Eduardo Dias da Costa Villas Bôas, repudiar a impunidade em suas redes sociais. “Nessa situação que vive o Brasil, resta perguntar às instituições e ao povo quem realmente está pensando no bem do País e das gerações futuras e quem está preocupado apenas com interesses pessoais?”, questionou o general.

Em seu texto, o comandante da Aeronáutica cita "a velocidade das mídias".  "Hoje serão testados valores que nos são muito caros, como a democracia e a integridade de nossas instituições. Instituições essas que têm seus papéis muito bem definidos no arcabouço legal da Nação. Num momento como este, os ânimos já acirrados intensificam-se ainda mais com a velocidade das mídias sociais, onde cada cidadão encontra espaço para repercutir a sua opinião, em prol do que julga ser o país merecedor", diz o texto.

+++ Regulamento proíbe militares de se manifestar publicamente sobre assuntos políticos

No boletim da Aeronáutica, Rossato ordena seus subordinados respeitarem a Constituição e não se “empolgar a ponto de colocar convicções pessoais acima das instituições”. “Tentar impor nossa vontade ou de outrem é o que menos precisamos neste momento”, diz o comandante.”Seremos sempre um extremo recurso não apenas para a guarda da nossa soberania, como também para mantermos a paz entre irmãos que somos.”

No comunicado, enviado a todos os militares da FAB, Rossato cobra que os poderes constituídos atuem com preceitos “éticos e morais” e prega confiança neles: “Os poderes constituídos sabem de suas responsabilidades perante a nação e devemos acreditar neles”.

 ++ Presidenciáveis se dividem sobre declarações de comandante do Exército

Ele diz que “o Brasil amanhece hoje prestes a viver um dos momentos mais importantes da sua história”, no qual “serão testados valores que nos são muito caros, como a democracia e a integridade de nossas instituições”. “Nestes dias críticos para o país, nosso povo está polarizado, influenciado por diversos fatores. Por isso é muito importante que todos nós, militares da ativa ou da reserva, integrantes das Forças Armadas, sigamos fielmente à Constituição, sem nos empolgarmos a ponto de colocar nossas convicções pessoais acima daquelas das instituições”, escreveu o brigadeiro.

No texto, Rossato não faz menção direta às críticas do general Villas Bôas no Twitter, mas afirma “os ânimos já acirrados intensificam-se ainda mais com a velocidade das mídias sociais, onde cada cidadão encontra espaço para repercutir a sua opinião, em prol do que julga ser o País merecedor”. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.