''''Tenho convicção de que o Supremo acolherá o pedido''''

Osmar Serraglio: ex-relator da CPI dos Correios

Gabriel Manzano Filho, O Estadao de S.Paulo

07 de agosto de 2022 | 00h00

Responsável por grande parte do material sobre mensalão que o Supremo Tribunal Federal tem em mãos, o deputado Osmar Serraglio (PMDB-PR), que foi relator da CPI dos Correios, diz ter "absoluta convicção" de que a denúncia será acolhida pelo Supremo. "Imagine se um procurador-geral da República, depois de tanto tempo lendo e investigando o assunto, falaria em ?sofisticada organização criminosa? sem elementos para isso." O que o sr. espera hoje do STF?Tenho convicção absoluta de que a denúncia será acolhida. A praxe nesses casos é receber. Deputados e senadores debateram muito o relatório. Depois a procuradoria-geral o avaliou e preparou seu documento. Não é possível que essas duas instâncias não tenham produzido uma peça convincente.Passados 21 meses da CPI, vários dos acusados lá continuam, reeleitos. Isso o surpreendeu?É claro que eu esperava uma resposta mais contundente do eleitor. Mas voto não é peça jurídica. Não aceito a tese de que a reeleição absolve os indiciados.Mas é muito forte a impressão de que a CPI não levou a nada.Como não conseguimos tudo, muita gente diz que não conseguimos nada. Mas aquela CPI motivou, como poucas, a opinião pública. Todos aprenderam muito sobre como certos políticos usam o poder. Há quem diga que não deu em nada, mas deu, sim. Veja quantos caíram ou foram afastados. Os presidentes dos partidos envolvidos estão esvaziados politicamente. Despertamos a sociedade para a necessidade de uma maior vigilância. Mas uma CPI não tem o poder de punir. Há os que alegam que a acusação é injusta - isso é uma tática normal da defesa. A investigação toda é um trabalho denso, aprofundado, com informações que se cruzam e trazem muitas evidências. Por isso acredito no trabalho que fizemos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.