André Dusek|Estadão
André Dusek|Estadão

Tendência é discutir liminar contra prisão em 2ª instância na próxima sessão, diz Marco Aurélio

Pedido ao STF foi feito por advogados do PEN; decisão favorável beneficiaria Lula

Amanda Pupo e Rafael Moraes Moura, O Estado de S.Paulo

05 de abril de 2018 | 18h44

BRASÍLIA – O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), disse nesta quinta-feira, 5, que a tendência é levar ao plenário da Corte, na próxima sessão plenária, o pedido de medida cautelar apresentado por advogados do Partido Ecológico Nacional (PEN) para permitir a execução provisória de pena, como a prisão, apenas depois de uma decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Caso a medida cautelar seja concedida, beneficiaria o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

+ Moro decreta prisão de Lula e dá até amanhã para petista se entregar à PF

A próxima sessão plenária do STF está marcada para quarta-feira, dia 11 de abril. A presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, resiste a levar ao plenário da Corte o julgamento do mérito de duas ações de relatoria do ministro Marco Aurélio que discutem a questão da prisão após condenação em segunda instância de uma forma ampla e abrangente.

Advogados do PEN, capitaneados pelo criminalista Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, pediram nesta quinta-feira ao STF uma medida cautelar para permitir a execução provisória de pena, como a prisão, após uma decisão do STJ, tese defendida pelos ministros Gilmar Mendes e Dias Toffoli no julgamento do habeas corpus de Lula.

+ Lula pode se candidatar? Veja os cenários do ex-presidente condenado

Eles destacam que no julgamento do habeas corpus de Lula, que só terminou na madrugada desta quinta-feira, a ministra Rosa Weber - que determinou o resultado desfavorável ao ex-presidente - entendeu que se deveria prestigiar a jurisprudência atual da Corte, favorável à possibilidade de execução, independentemente de sua posição pessoal ao tema. Em outubro de 2016, Rosa foi contra a prisão após condenação em segunda instância.

De acordo com o PEN, o julgamento de Lula acabou gerando uma situação de perplexidade, já que a rejeição aos pedidos de Lula "não representou a visão majoritária do plenário da Corte"

Tendência.

Ao final da sessão desta quinta-feira, Marco Aurélio foi questionado sobre a previsão de levar o pedido de medida cautelar para análise dos 11 integrantes da Corte. “Quarta-feira, claro, a tendência é trazer a liminar, ante o fato novo, o contexto é outro”, disse o ministro.

Marco Aurélio afirmou que, seguindo a tendência de levar o pedido ao plenário, submeterá o processo em mesa. Assim, a votação seria realizada no mesmo momento, para o plenário deferir ou não o pedido de medida cautelar apresentado pelo PEN.

+ Defesa de Lula diz que decisão do STF 'viola a dignidade da pessoa humana'

“A cautelar penso que hoje ante contexto é mais fácil vir lograr 6 votos contando com voto do ministro Gilmar e com voto de Rosa Weber (que na sessão em que julgou o habeas corpus de Lula ressaltou que respeitava a atual jurisprudência da Corte, favorável à possibilidade da prisão)”, comentou o ministro.

O ministro disse que a peça dos advogados do PEN está “muito bem redigida”. “Vamos esperar um pouquinho, tudo na sua hora”, desconversou Marco Aurélio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.