Temporão e Goldman lamentam morte de secretário de Saúde de SP

Luiz Roberto Barradas Barata faleceu na noite deste sábado, por volta das 20h50, em decorrência de um ataque cardíaco

Agência Estado

18 Julho 2010 | 11h08

O ministro da Saúde, José Gomes Temporão, e o governador do Estado de São Paulo, Alberto Goldman, lamentaram a morte do secretário de Saúde do Estado de São Paulo, Luiz Roberto Barradas Barata. Aos 57 anos, Barradas morreu na noite de ontem, por volta das 20h50, em decorrência de um ataque cardíaco.

"É com grande tristeza que recebo a notícia da morte do companheiro Luiz Roberto Barradas Barata. (...) Compartilho desse momento de dor com seus familiares e com os colegas da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, a qual Barradas comandou com muita seriedade e responsabilidade, sempre visando o aprimoramento dos serviços de saúde pública e o bem estar da população", disse o ministro, em nota.

Temporão se referiu a Barradas como "destacado sanitarista e competente gestor" e ressaltou que o secretário dedicou boa parte da vida ao fortalecimento do Sistema Único de Saúde (SUS) e, pelos serviços prestados à saúde pública brasileira, recebeu a medalha de Mérito Oswaldo Cruz do Ministério da Saúde, em 2009.

"É, sem dúvida, uma grande perda para todos nós brasileiros", afirmou o governador de São Paulo, também em nota. Segundo Goldman, Barradas "é dos nomes mais importantes da saúde brasileira" e foi o principal responsável pelo avanço do setor no Estado nos últimos anos.      

De acordo com a assessoria da Secretaria de Saúde, Barradas estava de férias em Ubatuba, no litoral norte do estado, quando passou mal e foi encaminhado ao Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia, na zona sul de São Paulo.

Em maio do ano passado, durante entrevista ao programa Roda Viva, da TV Cultura, Barradas contou que passava por tratamento contra o câncer. Ele não especificou qual o tipo do tumor, mas afirmou que estava bem. Formado pela Santa Casa, participou da cúpula da saúde no Estado de São Paulo desde o governo Mário Covas, entre 1995 e 2001. O médico assumiu o cargo de secretário a partir de 2003 e permaneceu nas gestões de Geraldo Alckmin, Cláudio Lembo, José Serra e Alberto Goldman.

O sanitarista também foi assessor dos ex-ministros de Saúde Adib Jatene e José Serra, de quem era bastante próximo. Em São Paulo, foi responsável por consolidar as Organizações Sociais de Saúde (OSS), modelo de parceria entre setor público e privado para gerir as unidades básicas de saúde. De acordo com o comunicado da Secretaria, o velório será realizado hoje na Santa Casa de São Paulo, no salão nobre da Provedoria.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.