Temporão descarta epidemia de febre amarela mas alerta turistas

O Ministério da Saúde descartou nestaterça-feira a ocorrência de casos de febre amarela urbana nopaís e garantiu que não faltarão vacinas para quem precisar seimunizar contra a doença. "Não precisa ter nenhuma preocupação sobre possibilidaderemota de volta da febre amarela urbana", afirmou a jornalistaso ministro José Gomes Temporão, que ressaltou que o país nãovive uma epidemia da doença. Temporão destacou que o principal foco de atenção dasautoridades são os turistas, brasileiros e estrangeiros, queviajam a áreas consideradas de risco, uma vez que a maioria dapopulação residente nesses locais já seria vacinada contra adoença. Para tentar garantir que os viajantes se protejam contra afebre amarela, o Ministério da Saúde trabalha em conjunto com oMinistério do Turismo e das Relações Exteriores para reforçar adivulgação de informações sobre a necessidade da vacinação, quesó garante imunidade 10 dias após a dose, disse o ministro. "Todas as pessoas que necessitarem ser vacinadas porquestões de deslocamento serão atendidas", afirmou. Eleacrescentou que na terça-feira a Fiocruz repassou ao ministériomais 2 milhões de doses da vacina, que serão distribuídas àsregiões de maior procura. Desde o início do ano, duas pessoas morreram com suspeitasde febre amarela no país, uma em Goiás e outra em um hospitaldo Distrito Federal. Outros seis pacientes com sintomas dadoença estão sendo investigados. Nenhum dos dois pacientes que morreram estava vacinado eambos estiveram em áreas rurais antes de adoecerem, segundo oministério. Ao todo 17 Estados do país são total ou parcialmenteconsiderados áreas de risco. As regiões do Centro-Oeste e doNorte são consideradas áreas endêmicas. Desde 1942 não há registro de febre amarela urbana noBrasil e todos os casos registrados nos últimos anos são depessoas que contraíram a doença ao entrar em matas. Dados doministério mostram que, entre 1996 e 2007, o Brasil registrou349 casos de febre amarela silvestre, com 161 óbitos. (Por Isabel Versiani)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.