''Temos apenas de apurar, e vai ser apurado'', diz Lula

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva avaliou ontem que o Estado não perdeu o controle da Abin e da Polícia Federal. Em entrevista à TV Brasil, ele disse ver com naturalidade a prisão do segundo homem na hierarquia da PF, Romero Menezes, acusado de tráfico de influência, e as investigações de escutas telefônicas supostamente praticadas por agentes da Abin. "Nós agora não temos de ficar mais nervosos ou menos nervosos", disse. "Temos apenas de apurar, e vai ser apurado." Ao contrário do que vem dizendo nos bastidores, Lula afirmou que não decidiu pelo afastamento definitivo do diretor da Abin, Paulo Lacerda. "É lógico que desminto (essa informação)", disse. "Paulo Lacerda é uma pessoa que respeito como profissional como poucos neste país. Agora todo mundo pode cometer erros também."Durante a entrevista, Lula também falou da amizade com os ex-ministros Antonio Palocci e José Dirceu, que deixaram o governo após escândalos políticos. Ao ser indagado sobre seus "antigos companheiros do PT", ele corrigiu: "Antigos não. Companheiros. O fato de eles não estarem no governo, não mexe na minha relação de amizade." Lula ressaltou, porém, que a saída dos dois mostrou que ninguém é imprescindível ou insubstituível. "As pessoas que estão no lugar deles estão dando uma demonstração extraordinária, e os dois companheiros estão reconstruindo suas vidas. É assim que tem que ser a vida, não tem outro jeito."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.