AFP PHOTO / Miguel SCHINCARIOL
AFP PHOTO / Miguel SCHINCARIOL

Temer vota cedo em São Paulo para evitar encontro com manifestantes

Presidente votou na Pontifícia Universidade Católica (PUC), no bairro de Perdizes; ao chegar, cumprimentou os mesários e em seguida votou

Francisco Carlos de Assis e Murilo Rodrigues Alves, O Estado de S.Paulo

02 de outubro de 2016 | 11h38

SÃO PAULO - O presidente da República, Michel Temer, para evitar o encontro com manifestantes, votou neste domingo, 2, assim que sua sessão eleitoral iniciou as atividades. Além dos manifestantes, Temer acabou driblando a imprensa e até mesmo seus assessores, que não souberam explicar a mudança de agenda do presidente, que previsto votar por volta das 11 horas.

Temer chegou acompanhado apenas de seus seguranças, e votou na Pontifícia Universidade Católica (PUC), no bairro de Perdizes, em São Paulo. Ao chegar, cumprimentou os mesários e em seguida votou.

Após votar, Temer retornou à sua residência no bairro de Alto de Pinheiros, na zona oeste da capital, onde deverá permanecer até por volta das 14 horas, quando se dirigirá ao aeroporto rumo a Brasília. Não está prevista nenhuma agenda para este domingo. As informações foram dadas ao Broadcast por membros da equipe de Temer. 

Marcela. A primeira-dama Marcela Temer não acompanhou o presidente durante sua votação nesta manhã, pois vota em outra seção. No fim da manhã, Marcela foi até o colégio Rainha da Paz, localizado no Alto de Pinheiros, zona oeste de São Paulo, para registrar seu voto. Sua passagem foi discreta.

Retorno. Michel Temer embarcou às 15h20 de São Paulo para Brasília, onde deve chegar dentro de uma hora, segundo informações da sua assessoria de imprensa. Ele ficaria na capital paulista até a manhã desta segunda-feira, quando partiria para Argentina e Paraguai. No entanto, ele decidiu voltar à capital federal, depois de ter mudado o horário em que havia programa votar neste domingo para escapar de protestos de estudantes. Não há compromissos em sua agenda para esta tarde.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.