Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Temer passa por procedimento cirúrgico em São Paulo

Presidente passou por uma raspagem da próstata, para desobstrução de uretra; segundo o Planalto, ele passa a noite na unidade de terapia semi-utensiva

Ricardo Galhardo, Felipe Frazão e Carla Araújo, O Estado de S.Paulo

27 de outubro de 2017 | 15h55

BRASÍLIA - O presidente Michel Temer passou, na noite desta sexta-feira, 27, no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, por um procedimento cirúrgico de ressceção, ou raspagem da próstata, para a desobstrução da uretra.

O procedimento durou cerca de duas horas. Temer se recupera na unidade de terapia semi-utensiva, sem previsão de alta. As informações são da assessoria do Planalto.

O peemedebista chegou à unidade por volta das 20h35 para realizar um exame chamado cistoscopia - que consiste em uma sonda que passa pela uretra e vai até a bexiga para descobrir o motivo da obstrução urológica.  

No dia em que a Câmara votava a segunda denúncia contra ele, Temer passou por um desconforto urológico e foi internado às pressas, em Brasília, na quarta-feira passada.

+ Marcela foi informada pela imprensa que Temer passou mal

O hospital divulgou nota, no ínicio desta noite, informando que o presidente deu entrada na unidade para "reavaliação e continuidade do tratamento urológico a que foi submetido em Brasília". Os responsáveis pelo tratamento de Temer são o cardiologista Roberto Kalil Filho, médico pessoal do presidente, e o urologista Miguel Srougi.

A equipe do hospital está em alerta para a possível chegada do presidente desde a quarta-feira. Ele permaneceu por sete horas no Hospital Militar de Área de Brasília, onde passou por um procedimento para colocar uma sonda, que poderá ser retirada, a depender da avaliação médica. 

+ Entenda a 'obstrução urológica' que afetou Michel Temer

Apesar de ter recomendação de repouso, Temer despachou no Palácio do Planalto nos últimos dois dias. Nesta sexta-feira, ele recebeu o líder do governo na Câmara dos Deputados, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), e o líder da bancada do PMDB, Baleia Rossi (SP). 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.