Temer vai 'contribuir muito' na melhora da relação com o Planalto, diz Cunha

Presidente da Câmara ressaltou que o vice-presidente 'tem bom trânsito' no Congresso

Daiene Cardoso, O Estado de S. Paulo

08 Abril 2015 | 13h21

Brasília - O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), disse nesta quarta-feira, 8, que a entrada do vice-presidente da República, Michel Temer, na articulação política do governo "vai contribuir muito" com a melhora na relação entre o Palácio do Planalto e o Congresso. "Ele tem bom trânsito para ajudar o governo", avaliou.

Cunha se reuniu em jantar com Temer a terça-feira, 7, e disse que não ouviu nenhum pedido especial do vice-presidente. "Nossa postura é manter a pauta da Casa com independência e ajudar na governabilidade, como tenho feito. Não tenho atrapalhado a governabilidade", afirmou.

Às vésperas de completar cem dias do segundo mandato, a presidente Dilma Rousseff foi obrigada a entregar a articulação política do governo ao vice-presidente na tentativa de reduzir os danos provocados com a recusa do ministro da Aviação Civil, Eliseu Padilha, também do PMDB, em assumir a função. 

Em um operação desastrada na terça-feira, que durou pouco mais de 24 horas, Dilma conseguiu desagradar a uma ala do PMDB e enfraquecer o setor mais à esquerda do PT. No fim do dia, Temer acabou por salvar o governo de mais um vexame. 

O vice vai assumir as atribuições da Secretaria de Relações Institucionais, até então ocupada pelo petista Pepe Vargas, que entregou o cargo após o “vazamento” da notícia sobre sua saída. Pepe deve ser transferido para a Secretaria de Direitos Humanos, atualmente com Ideli Salvatti (PT), cotada agora para Correios. 

Pelo novo desenho do “núcleo duro” do Palácio do Planalto, as funções da Secretaria de Relações Institucionais serão incorporadas pela Vice-Presidência da República. Com isso, o número de ministérios passará de 39 para 38. Dilma prometeu a Temer que ele terá autonomia para negociar com o Congresso.

Mais conteúdo sobre:
Eduardo CunhaMichel Temer

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.