Temer reforça em jantar que não subirá em palanques municipais para evitar rachas na base

Pelo menos no primeiro turno, o peemedebista pretende se manter neutro; entretanto, ele vem atuando nos bastidores na construção de alianças para prefeituras de grandes cidades

Igor Gadelha e Carla Araújo, O Estado de S. Paulo

28 de julho de 2016 | 09h07

BRASÍLIA - O presidente em exercício Michel Temer reforçou a lideranças do DEM, durante jantar no Palácio do Jaburu na noite dessa quarta-feira, 27, que não subirá em palanques na campanha das eleições municipais, para evitar problemas e rachas entre candidatos de partidos da base aliada. Segundo relatos de participantes do encontro, o peemedebista disse que pretende se manter neutro, pelo menos no primeiro turno.

Participaram do jantar o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), o ministro da Educação e deputado licenciado, Mendonça Filho (DEM-PE), o presidente do DEM, senador José Agripino (RN), o prefeito de Salvador, Antônio Carlos Magalhães Neto, o líder do DEM na Câmara, Pauderney Avelino (DEM), e o secretário do Programa de Parcerias e Investimento do governo Temer, Moreira Franco (PMDB).

Apesar de não querer participar diretamente da campanha, Temer vem atuando nos bastidores na construção de alianças de candidatos a prefeitos das grandes cidades. Como mostrou o Broadcast, serviço em tempo real do Grupo Estado, nessa quarta, a ideia do presidente é fazer um mapeamento dos candidatos às eleições municipais, para que os partidos da base aliada elejam o maior número de prefeitos e vereadores possível. 

No primeiro turno do pleito, a orientação "é de cada um por si". No segundo turno, porém, Temer quer que os partidos da base aliada se entendam em torno de um nome para derrotar o candidato da oposição. "Caso os dois sejam aliados do governo, paciência, quem ganhar, ganhou", disse uma fonte. Os candidatos eleitos serão importantes para apoiar uma eventual candidatura do peemedebista à presidência da República em 2018. 

A maior preocupação e o principal foco do Planalto é com eleição em São Paulo. Além de ser o mais importante colégio eleitoral, Temer considera que é fundamental derrotar o prefeito Fernando Haddad, do PT, partido da presidente afastada Dilma Rousseff. "De qualquer jeito o PT tem que ser derrotado", diz um interlocutor.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.