Temer recebeu políticos a cada meia hora durante 13 horas

Presidente tenta barrar denúncia que tramita na Câmara contra ele por corrupção passiva

Carla Araújo e Tânia Monteiro, O Estado de S.Paulo

04 de julho de 2017 | 21h30

BRASÍLIA - Esta terça-feira, 4, foi de entra e sai no gabinete do presidente Michel Temer de parlamentares em busca de alinhamento da base e apoio do Congresso para barrar a denúncia que tramita na Câmara contra o presidente por corrupção passiva. 

Em uma das agendas, com deputado Evandro Gussi (PV-SP), que ocorreu logo cedo, Temer fez na realidade uma grande reunião com ministros, incluindo Henrique Meirelles (Fazenda), e empresários do setor de biocombustíveis para tentar atender a alguma das demandas do setor e também da bancada que representa o segmento. No encontro, Temer deu aval para antecipar o calendário de mistura do biodiesel ao óleo diesel, que passará a ter 10% da mistura em 2018.

No total, foram mais de 13 horas, com audiências a cada meia hora. Além de alguns parlamentares que costumam frequentar com mais assiduidade o gabinete presidencial, na agenda eram previstos inicialmente 22 parlamentares, mas ao longo do dia a lista foi aumentando.

Na hora do almoço, por exemplo, Temer recebeu o ministro Moreira Franco (Secretaria-Geral da Presidência) e os líderes Baleia Rossi (PDMB-SP), Lelo Coimbra (PMDB-RS), Carlos Marun (PMDB-MS), André Moura (PSC-SE) e Aguinaldo Silva (PP-PB). Depois, na sequência recebeu o deputado Lúcio Vieira Lima, irmão do ex-ministro Geddel Vieira Lima, preso na segunda-feira, 3.

Um auxiliar do presidente destacou que muitos deputados e senadores que não estavam contemplados ligaram para o Planalto para tentar um espaço com o presidente.

Além do presidente, os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil), Antonio Imbassahy (Secrataria de Governo) e Moreira Franco (Secretária-Geral da Presidência) também receberam alguns políticos em reuniões separadas. 

Denúncia. Na quarta-feira, 5, segundo fontes, a romaria de parlamentares deve ser menor, pois o presidente quer acompanhar a defesa que seu advogado Antonio Cláudio Mariz fará na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). O objetivo do governo continua sendo que a denúncia seja apreciada em plenário antes do recesso. Apesar do otimismo, um interlocutor do Planalto reconheceu que o cenário é muito incerto e há vários fatores que fogem do controle do governo, como uma possível obstrução ou pedido de vista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.