Temer rebate Indio e descarta ligação de Dilma com Farc

No debate entre os candidatos a vice-presidente da República no Grupo Estado, Indio da Costa (DEM), voltou a questionar a relação das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) com o PT e com a candidata da legenda, Dilma Rousseff, destacando que a petista ainda deve explicações sobre o assunto. A afirmativa provocou a reação do deputado Michel Temer (PMDB), vice na chapa de Dilma. "Relacionar Dilma com o narcotráfico é uma coisa grave. Não me parece que isso seja fato."

ELIZABETH LOPES, Agência Estado

17 de agosto de 2010 | 11h48

Temer disse que não há relação nenhuma entre o governo brasileiro e as Farc e argumentou que Dilma é uma mulher que combate as drogas. Além disso, o peemedebista ironizou o deputado Indio da Costa com relação à afirmativa do democrata de que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva propôs que a guerrilha colombiana se transformassem em partido político.

"Nunca ouvi isso, mas se ele (Lula) falou, talvez estivesse propondo um caminho democrático, porque não quer nada de movimento guerrilheiro, nada de subterrâneo", afirmou Temer. Ainda sobre as Farc, Indio da Costa disse que se fosse chamado para um encontro com os membros desse movimento, levaria a Polícia Federal (PF) para prendê-los.

No embate entre Temer e Indio, o vice de Marina Silva (PV), o empresário Guilherme Leal, arrancou risos da plateia ao dizer que não gostaria de entrar na polêmica aberta pelo "aguerrido deputado Indio da Costa, com seu arco e flecha". Porém, destacou que a política brasileira precisa ser oxigenada, precisa de mais transparência e ser pautada por valores. "É provável que o narcotráfico esteja de alguma forma permeando segmentos da política brasileira, de diversos partidos, em diversas regiões."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.