Temer rebate declarações de Quércia

O deputado federal e ex-presidente da Câmara Michel Temer (PMDB-SP) procurou a Agência Estado para responder às declarações do ex-governador de São Paulo Orestes Quércia (PMDB). Hoje pela manhã, Quércia disse que Temer levará uma "sova nacional" na eleição pela presidência interna do PMDB, depois de já ter perdido para ele o comando regional do partido em São Paulo, no final de abril. "Como é de hábito, ele (Quércia) usou uma expressão pífia. Eu não fui derrotado porque a chapa que apoiei obteve 44% dos votos. Além disso, no tocante aos delegados dos diretórios (que têm direito a voto na convenção nacional), nós temos meio a meio dos votos", declarou. O deputado federal disse ainda que Quércia só faturou a presidência estadual da sigla porque "domina o partido". "Ele domina o PMDB de São Paulo há 25 anos e eu só entrei na disputa durante seis meses", destacou. "Apesar dele e das declarações nada elegantes, eu vou continuar trabalhando pela unidade do partido", ressaltou. O deputado federal comentou ainda a corrida presidencial para 2002. Ele sugeriu que o cronograma de escolha do candidato do PMDB à cadeira de Fernando Henrique Cardoso seja antecipado de fevereiro de 2002 para setembro próximo. "Assim dá tempo para o Itamar mudar de partido, caso não ganhe a disputa para ser indicado como candidato", aconselhou. Segundo Temer, o PMDB não abrirá mão de lançar candidato próprio a presidente. "Já disse que precisamos parar com esta balela de não ter candidato", afirmou. O deputado tem se empenhado para que Itamar desista de concorrer à presidência. "No entanto, apesar de ainda não ter conversado com ele, não vejo esta tendência", assinalou. Perguntado se existe a possibilidade de a ala governista do PMDB barrar a candidatura de Itamar à presidência interna do partido - já que o estatuto da sigla impede o acúmulo de cargo no Executivo e no comando do PMDB - Temer disse que "ainda não pensamos nisto, mas primeiro vamos tentar a unidade sem palavras agressivas". O deputado declarou ainda que fez uma "visita telefônica" a Itamar, que se recupera em São Paulo de uma cirurgia para a retirada da vesícula. "Evidentemente eu não quero incomodá-lo, mas se ele achar que deve conversar comigo, estou aberto", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.