André Dusek|Estadão
André Dusek|Estadão

Temer pretende acionar AGU para pedir levantamento de sigilo da segunda 'lista de Janot'

Presidente se reuniu com senadores do PMDB um dia após o procurador-geral da República apresentar ao STF nomes que deverão ser investigados no âmbito do processo da Lava Jato; ao menos seis ministros estão incluídos na listagem

Erich Decat, O Estado de S.Paulo

15 Março 2017 | 23h38

BRASÍLIA - Em jantar realizado na noite desta quarta-feira, 15, com integrantes da bancada do PMDB do Senado, o presidente Michel Temer informou a alguns dos presentes que pretende acionar a Advocacia Geral da União (AGU) para formalizar um pedido junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) para que seja levantado o sigilo da segunda “lista de Janot”. A atuação da AGU, se restringiria, contudo, aos integrantes do governo federal.

A ideia, segundo alguns dos presentes no encontro, seria a de tentar evitar que ocorram vazamentos seletivos e graduais e que com isso haja um desgaste continuo de integrantes da cúpula do governo.

A reunião com os peemedebistas ocorreu um dia após o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, apresentar ao STF nova lista com nomes que deverão ser investigados no âmbito do processo da Lava Jato. Na ocasião, Janot pediu para investigar ao menos seis titulares dos 29 ministérios do governo de Michel Temer (PMDB). Entre eles, Eliseu Padilha (Casa Civil); Moreira Franco (Secretaria-geral da Presidência), Gilberto Kassab (Comunicações), Bruno Araújo (Cidades), Aloysio Nunes (Relações Exteriores) e Marcos Pereira (Indústria).

No jantar, realizado no Palácio do Alvorada, o surgimento de novos nomes na lista também foi comentado entre os senadores. O que mais teria causado espato era o aparecimento do nome da senadora Lídice da Mata (PSB-BA).

Afagos. O encontro também serviu para que Temer fizesse afagos ao líder do PMDB do Senado, Renan Calheiros (AL). No discurso feito durante o brinde, o presidente lembrou da votação realizada no final do ano passado da chamada PEC do Teto, que estabeleceu um limite de gastos públicos. Ao falar da votação, Temer elogiou a condução de Renan que teria ficado até à madrugada no plenário para garantir a aprovação da proposta.

Os afagos ocorreram uma semana após Renan vir a público para criticar o que chamou de “tomada do governo” por parte do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), preso na Operação Lava Jato. As críticas do senador ocorreram após Temer indicar parlamentares próximos a Cunha para cargos estratégicos no governo e no Congresso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.