Temer pede proteção policial da PF a deputados do PT

Couto e Ferro afirmam que recebem ameaças de morte; eles investigaram crimes na Zona da Mata de PE

Daniel Galvão, da Agência Estado

13 de fevereiro de 2009 | 16h48

O presidente da Câmara dos Deputados, Michel Temer (PMDB-SP), enviou na quinta-feira ao ministro da Justiça, Tarso Genro, pedidos de proteção policial da Polícia Federal (PF) aos deputados Luiz Couto (PT-PB) e Fernando Ferro (PT-PE), feitos pelo líder do partido na Casa, Cândido Vaccarezza (SP). Couto e Ferro afirmam que recebem ameaças de morte. Couto e Ferro investigaram crimes na Zona da Mata de Pernambuco. O deputado do PT da Paraíba foi relator da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Extermínio no Nordeste. Couto também atuou na CPI da Pedofilia, e teria sido ameaçado de morte por uma quadrilha ligada ao traficante de armas e drogas Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, que cumpre pena. Já o deputado do PT de Pernambuco teve assassinado um dos assessores, Manoel Matos, vice-presidente do diretório estadual do partido em Pernambuco. O assassinato foi no dia 24 de janeiro. Matos era ameaçado por ter delatado o crime organizado na região. Ele colaborava com a CPI, que investigou, entre 2003 e 2005, o envolvimento de delegados, juízes, promotores e outras autoridades com bandos de extermínio locais. Couto teve a segurança pessoal feita pela PF até junho, mas a corporação interrompeu a proteção alegando que essa era função da Polícia Legislativa. Para o assessor jurídico da presidência da Câmara, Marcos Vasconcelos, a Polícia Legislativa tem uma atuação limitada à Casa e ao Distrito Federal. "Já a PF é preparada para qualquer tipo de operação. A Polícia Legislativa não tem o preparo do policial federal, apesar de ser competente", afirmou. De acordo com Vasconcelos, o número de agentes legislativos é restrito, suficiente para cuidar do prédio da Câmara. Ele afirmou que não há como deslocar um policial legislativo para acompanhar um deputado em todo o território nacional. "São 513 deputados. A polícia da Casa não tem capacidade de corporação de inteligência, não pode sair do prédio", disse. No dia 4, um grupo de deputados da legenda requereu a Genro resguardo para os deputados do PT. Os deputados também solicitaram a federalização das apurações sobre o homicídio do assessor de Ferro, bem como proteção à família dele. Segundo Vasconcelos, a PF tirou a proteção a Couto porque teria averiguado que nada havia ocorrido durante o acompanhamento que justificasse a presença da corporação. O deputado da Paraíba teve rejeitado um outro pedido de proteção à PF, feito pelo ex-presidente da Casa Arlindo Chinaglia (PT-SP). Conforme Vasconcelos, mais uma vez, a corporação recusou o resguardo, alegando que o trabalho seria de competência da Polícia Legislativa. "Há um imbróglio a ser resolvido. A PF entende que cabe à Polícia Legislativa prestar proteção à integridade física e à vida de parlamentares ameaçados e cita o artigo 144 da Constituição. Mas há uma clara e inequívoca condição fatídica de impossibilidade da Polícia Legislativa de prestar esse tipo de proteção fora da Casa", disse. Procurada pela reportagem, até 16h45 a PF ainda não havia dado retorno.

Tudo o que sabemos sobre:
Michel TemerPT

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.