GABRIELA BILO/ ESTADAO
GABRIELA BILO/ ESTADAO

Temer oferece Ciência e Tecnologia a PRB após sigla recusar Previdência e Portos

Oferta agradou à cúpula do partido, que tem bancada majoritariamente evangélica; bispo Marcos Pereira deve ser indicado

Igor Gadelha, O Estado de S.Paulo

02 de maio de 2016 | 15h37

BRASÍLIA - Dono de uma bancada majoritariamente evangélica, o PRB foi convidado e aceitou ontem indicar o ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação de um eventual governo Michel Temer. O presidente do partido, o advogado e bispo licenciado Marcos Pereira, deverá ser o indicado para o cargo. Ele esteve na noite de segunda, 3, com Temer para discutir a indicação do partido.

O convite foi feito ao PRB por emissários de Temer em substituição ao desejo da legenda de ocupar o Ministério da Agricultura. A sigla chegou, inclusive, a ameaçar ser oposição ao peemedebista no Congresso, caso ele não atendesse ao pedido.

Apesar de o PRB já ter aceitado o convite, aliados de Temer evitam confirmar a indicação. Segundo um articulador do vice, “é um das possibilidades”. A pasta vinha sendo cobiçada também pelo PSB.

O PRB tem ligação com a Igreja Universal do Reino de Deus, chefiada pelo bispo Edir Macedo. O ministério oferecido ao partido é responsável pela política nacional de pesquisa, desenvolvimento, produção e aplicação de novos materiais e serviços de alta tecnologia no País, além de cuidar do patrimônio científico e tecnológico do Brasil e da política espacial. A academia rechaça a interferência da religião nos trabalho de pesquisa.

No governo Dilma Rousseff, a pasta foi ocupada por integrantes de PMDB, PC do B e PSB. O último a ocupar o cargo foi o deputado federal Celso Pansera (PMDB-RJ), que deixou o posto em abril após seu partido romper oficialmente com a presidente.

Negociação. Antes de o PRB aceitar a Ciência e Tecnologia, Temer fez outras duas ofertas ao partido. Na semana passada, emissários do vice ofereceram à sigla o comando do Ministério da Previdência Social ou da Secretaria dos Portos da Presidência da República.

A cúpula do PRB, no entanto, descartou de imediato a oferta da Previdência Social. Alegou que a pasta traria desgaste por causa de uma eventual reforma previdenciária, com medidas como a fixação de idade mínima para aposentadoria no País.

Já em relação à Secretaria dos Portos, a direção do PRB afirmou que só aceitaria a pasta se ganhasse outro ministério. Articuladores de Temer, porém, disseram não ser possível dar dois ministérios à legenda, que possui 22 deputados federais e um senador – Marcelo Crivella (RJ).

Temer teve de negociar com o PRB a desistência do Ministério da Agricultura, após pressão do agronegócio. O setor pediu ao vice-presidente que, ao assumir o governo, indique alguém ligado à área. O PRB, contudo, não possui quadros ligados ao setor.

PP. Segundo apurou o Estado, a Agricultura deve ficar com o PP. A legenda também deverá ficar com a tarefa de “referendar” um nome técnico para comandar o Ministério da Saúde. Um dos nomes mais cotados pela cúpula da sigla é o do médico paulista Raul Cutait.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.