Temer nega acerto com governo para abafar CPI dos bingos

O presidente nacional do PMDB, deputado Michel Temer (SP), negou esta manhã que o partido tenha acertado com o governo uma operação para abafar a instauração da CPI dos bingos. "A maioria dos parlamentares não quer CPI porque as investigações transcorrem na Polícia Federal e, na avaliação desses parlamentares, o Congresso só deve se envolver se foi identificada participação de agente público", justificou, em entrevista coletiva, durante a reunião nacional que o PMDB realiza hoje em São Paulo.Temer recusou ainda a avaliação de que o partido é, nesse momento, o que mais cobra benefícios do governo federal pelo apoio que oferece. "Quero lembrar que mesmo sem cargos no governo, o PMDB apoiou os projetos do presidente Lula por mais de um ano", enfatizou. "A tese central que nos une (PMDB e governo) é a do crescimento econômico e do desenvolvimento", complementou.Contrário à aliança entre o partido e o governo Lula, o deputado Gedel Vieira Lima (BA) disse que a união das duas forças políticas é "artificial" e sustentada basicamente por cargos públicos oferecidos pelo governo ao PMDB. Ele acredita num distanciamento do partido em relação ao governo Lula ao longo do ano."É uma aliança artificial, fragilizada e que não vai durar por causa dos fracassos do governo do PT, já comprovados pela falta de projeto do governo, sua política monetária, e falência moral do discurso petista; pelo fato de o PT tratar o PMDB como um aliado de segunda classe; e porque a eleição municipal provoca e exige esse distanciamento", apontou o deputado, que já manifestou intenção de sair candidato à prefeitura de Salvador.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.