Temer irá processar empresário do dinheiro na cueca

Presidente da Câmara também irá entrar com ação para obter documentos que supostamente o envolvem no caso

Denise Madueño, de O Estado de S. Paulo,

03 Dezembro 2009 | 22h40

O presidente da Câmara, Michel Temer (PMDB-SP), anunciou nesta quinta-feira, 3, que vai entrar com uma queixa-crime contra o empresário Alcyr Collaço, dono do jornal Tribuna do Brasil, e com uma ação em São Paulo para obter os documentos que supostamente o envolvem em contabilidade paralela da empreiteira Camargo Corrêa, investigada na operação Castelo de Areia da Polícia Federal.

 

Veja Também

lista Leia tudo o que foi publicado sobre o mensalão no DF

blog  JOÃO BOSCO acompanhe o caso; veja vídeos, oração da propina e mais 

especial Entenda as acusações contra o governador do Distrito Federal

documento Leia o inquérito da Operação Caixa de Pandora

linkDeputados do DF não conseguem criar CPI do mensalão

linkPSB apresenta pedido de impeachment do governador Arruda

 

Assim como Temer, deputados peemedebistas citados por Collaço como supostos beneficiários do mensalão do DEM no Distrito Federal em conversa com Durval Barbosa, ex-secretário de Relações Institucionais do governador, José Roberto Arruda (DEM), anunciaram que entrarão com queixa-crime contra o empresário. Na gravação, Collaço fala sobre uma suposta propina paga a caciques do PMDB. O empresário aparece em outro vídeo da operação da Polícia Federal, denominada Caixa de Pandora, colocando dinheiro na cueca.

 

Além de Temer, são citados o líder do PMDB na Câmara, Henrique Eduardo Alves (RN), o presidente da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara, deputado Tadeu Filippelli (DF), e o deputado Eduardo Cunha (RJ). O grupo teve atuação importante para manter Filippelli no comando do PMDB no Distrito Federal, provocando a saída do partido de Joaquim Roriz, ex-governador do DF e candidato à sucessão de Arruda. Roriz foi forçado a procurar outra legenda depois que o PMDB fechou aliança em torno da reeleição de Arruda.

 

O presidente da Câmara considerou "uma vilania sem tamanho" a citação do nome dele. Em nota, o deputado Henrique Alves, que está em viagem a Portugal, classificou de "completamente incabíveis e despropositadas" as citações envolvendo o nome dele, com diálogos entre pessoas que "não conhece" e que não tem relação. "Estou indignado e perplexo com o conteúdo dos diálogos inverídicos, levianos e caluniosos", afirma o líder do PMDB.

 

"Repudio de forma veemente a tentativa de envolver o meu nome e de alguns dos principais líderes nacionais do PMDB no episódio que investiga as denúncias de irregularidades no Governo do Distrito Federal", reagiu, em nota, o deputado Tadeu Filippelli. "A citação do meu nome em uma conversa de terceiros revela a irresponsabilidade daqueles que, movidos por interesses inconfessáveis, querem obter do meu partido, o PMDB, uma decisão açodada sobre esse momento de crise política do governo local", disse Filippelli.

 

O deputado Eduardo Cunha, também em nota, anunciou que entrará com ações judiciais contra o que chamou de "dois meliantes". "Quero registrar a minha indignação e desmentir de forma peremptória que tenha qualquer tipo de relação com estes indivíduos e com qualquer fato político envolvendo o Distrito Federal", afirmou Cunha. "Os diálogos expostos pela gravação são mentirosos e certamente escondem interesses políticos escusos daqueles que já saíram de mandatos pela porta dos fundos e buscam uma vingança sórdida por estarem longe do PMDB", disse o deputado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.