Temer informa a Dilma seu apoio a Chalita

Vice-presidente comunica oficialmente intenções de tentar eleger o deputado, futuro filiado do PMDB, prefeito de São Paulo em 2012

Christiane Samarco, de O Estado de S. Paulo

12 de maio de 2011 | 23h10

BRASÍLIA - O vice-presidente Michel Temer comunicou oficialmente à presidente Dilma Rousseff que o PMDB de São Paulo está filiando o deputado Gabriel Chalita para tentar elegê-lo prefeito em 2012, independentemente do projeto eleitoral do PT. Embora os petistas tenham uma dezena de pré-candidatos à Prefeitura paulistana, o PMDB não abre mão de indicar o nome do cabeça de chapa.

 

O encontro ocorreu na noite de quarta-feira, 11, no Palácio da Alvorada, poucas horas depois de o vice comandar a cerimônia de filiação do presidente da Fiesp, Paulo Skaf. "Não tem sentido fazer esta mobilização toda sem trocar ideia com a senhora. O Chalita tem um nome muito bom, trabalhou muitíssimo por nós e virá para o PMDB", disse Temer. A presidente não demonstrou preocupação. "Gosto muito do Chalita, é uma ótima figura, uma pessoa muito decente e que nos ajudou muito na campanha", respondeu Dilma.

 

Como as duas filiações marcam o início da montagem dos palanques municipais, em uma clara ofensiva do PMDB para enfrentar o PT na briga pelas prefeituras, era Temer quem estava preocupado em esclarecer que este movimento traduz um projeto local. Abriu a conversa explicando que decidira levar formalmente a informação como forma de reafirmar a lealdade que tem à presidente. "Isto não significa afastamento do PT no plano nacional, nem tampouco distanciamento do governo", garantiu. "Se pudermos fazer uma aliança no primeiro turno, tanto melhor, se não der estaremos juntos com o PT no segundo turno."

 

Os petistas não passaram recibo da ofensiva peemedebista. "O Temer é o presidente de fato do PMDB. Então, é natural que ele se envolva nessas filiações", defendeu o líder do governo na Câmara, deputado Cândido Vaccarezza (PT). Líder do PT no Senado, Humberto Costa disse que "uma bela chapa" do PT com o PMDB não está descartada, e salientou que, se os dois partidos lançarem candidatos, o fundamental é que Chalita é de oposição ao atual prefeito, Gilberto Kassab (PSD). O temor neste caso é de que Kassab apoie uma eventual candidatura do tucano José Serra.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.