Dida Sampaio|Estadão
Dida Sampaio|Estadão

Temer fecha acordo com Renan para se manter na presidência do PMDB

Na convenção partidária, marcada para março, será lançada uma chapa única e o grupo ligado ao presidente do Senado dividirá com aliados do vice-presidente da República os principais cargos da Executiva da legenda

Ricardo Brito, O Estado de S.Paulo

03 de fevereiro de 2016 | 11h12

BRASÍLIA - Após protagonizarem uma série de acusações públicas, o vice-presidente da República e presidente do PMDB, Michel Temer, reuniu-se nessa terça-feira, 2, com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), para fechar um acordo que garante a sua permanência à frente do comando do partido. Ficou acertado que na convenção partidária, marcada para março, haverá o lançamento de uma chapa única e o grupo peemedebista ligado a Renan dividirá com aliados de Temer os principais cargos da Executiva da legenda.

No fim do ano passado, Renan chegou a articular com aliados o lançamento de uma chapa para disputar contra o atual presidente do PMDB, no cargo desde 2001. Os aliados do presidente do Senado reclamavam que Temer teria se aliado ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), para patrocinar o impeachment da presidente Dilma Rousseff, de quem Renan é aliado, e alijou os senadores do partido da discussão.

Contudo, pessoas ligadas a Renan já haviam admitido que o avanço da Operação Lava Jato contra o peemedebista dificultava a viabilização de um nome para rivalizar com o atual presidente do partido. Renan é alvo de seis inquéritos da operação e o nome mais cotado para concorrer contra Temer, o senador Romero Jucá (PMDB-RR), atual 3º vice-presidente do partido, também é investigado na operação.

Sob o risco de não fazer mais parte da cúpula partidária em caso de disputa, o pragmatismo do grupo de Renan falou mais alto. Jucá e o líder do PMDB no Senado e atual tesoureiro da legenda, Eunício Oliveira (CE), que são próximos ao atual presidente do partido, conversaram com Temer e aliados dele durante o recesso parlamentar a fim de acertar as desavenças entre os dois lados. Nessa tarefa de reaproximação, ambos estiveram com o vice até uma da madrugada, antes da conversa definitiva entre Temer e Renan da manhã dessa terça-feira.

"Renan e Michel tiveram uma conversa boa, esclareceram as coisas e se acertaram", afirmou um aliado do presidente do Senado.

Contribuiu também para selar o acordo entre as duas alas o fato de o vice-presidente passar a falar, em privado e em público, que o impeachment de Dilma havia perdido força. Aliado da presidente, Renan tem se posicionado contra o afastamento dela.

Pelo acerto, a tendência é que a nova composição da cúpula do PMDB pelos próximos dois anos tenha, além da permanência de Temer, Jucá como o 1º vice-presidente do partido, cargo hoje ocupado pelo senador Valdir Raupp (PMDB-RO), que pode ser deslocado para outra vice-presidência. Eunício deve permanecer na tesouraria do partido, posto em que está há 10 anos. Outros cargos da direção serão partilhados por aliados de Temer e de Renan. Ao menos por ora, publicamente ninguém falará da divisão dos postos da direção. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.