Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Temer faz jantar com aliados e PSDB e DEM cancelam reunião que discutiria apoio ao governo

Presidente tenta garantir apoio no Congresso e manter agenda de reformas em meio à crise instalada pela delação da JBS

Lorenna Rodrigues, Igor Gadelha e Isabela Bonfim, O Estado de S.Paulo

21 de maio de 2017 | 13h05

BRASÍLIA - O presidente Michel Temer recebe parlamentares da base aliada e ministros  para um jantar no Palácio da Alvorada na noite deste domingo, 21. Em meio à crise aberta pela delação de executivos da JBS, Temer tenta garantir apoio no Congresso e manter a agenda de reformas.

Um convite foi repassado aos parlamentares, assinado pelo ministro da Secretaria de Governo, Antonio Imbassahy (PSDB). Em nome de Temer, ele convida para o jantar com a presença de ministros e líderes dos partidos da base aliada no Senado e na Câmara, a partir de 19h30. Os ministros da Fazenda, Henrique Meirelles, e do Planejamento, Dyogo Oliveira, também participarão do evento e levarão a mensagem de que a agenda econômica precisa avançar mesmo com a crise.

O jantar está sendo visto como uma “reunião de coordenação”. Entre os projetos que o governo quer aprovar nas próximas semanas está a medida provisória que cria o Programa de Regularização Tributária. Na sexta-feira, como noticiou o Broadcast, Meirelles acertou com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, um acordo para a votação da MP concordando com desconto de 25% na multa e 40% nos juros.

Por ora, o presidente tem conseguido conter uma debandada na base aliada. O PSB decidiu neste sábado pedir a renúncia de Temer e convocações de eleições diretas, mas o único ministro do partido, Fernando Filho, de Minas e Energia, foi ao encontro do presidente no Alvorada neste sábado acompanhado do pai, o senador Fernando Bezerra Coelho. O PPS voltou atrás do rompimento, apesar do pedido de demissão do ministro da Cultura, Roberto Freire

Os dirigentes e líderes partidários do PSDB e DEM cancelaram a reunião que estava agendada para este domingo, em Brasília, para discutir o apoio ao governo Temer. A informação é da assessoria do líder do PSDB, Paulo Bauer (SC). Segundo a Coluna do Estadão, o presidente nacional do DEM, senador José Agripino Maia (RN), telefonou para o presidente em exercício do PSDB, senador Tasso Jereissati (CE). Eles acertaram o cancelamento para evitar especulações de que estariam discutindo desembarcar juntos do governo Temer. 

O encontro foi agendado na sexta-feira e estava confirmada até a manhã deste domingo. As assessorias de imprensa dos dois partidos já haviam informado que o encontro aconteceria às 17h, com entrevistas para a imprensa a partir das 19h. Pouco antes do meio-dia, entretanto, a reunião foi cancelada sem qualquer especificação de motivos. 

O governo teme que PSDB e DEM deixem a base. No momento, os partidos são considerados os mais fiéis à base. A leitura do Planalto é que, caso o PSDB deixe o governo, Michel Temer não conseguirá se manter na Presidência. 

Tudo o que sabemos sobre:
Michel TemerCongresso Nacional

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.