Temer fatia Mesa entre partidos e amplia apoio

Um acerto que dividiu os sete lugares na Mesa Diretora da Câmara entre seis partidos permitiu ao candidato do PMDB à presidência da Casa, Michel Temer, formar um "blocão" para apoiá-lo. Situação e oposição estão contempladas. O bloco tem no total 12 partidos e as legendas menores deverão receber suplências na Mesa.O interesse na Mesa Diretora se justifica não apenas por ser o grupo que toma decisões importantes - como a de não promulgar emenda constitucional modificada no Senado, que recria mais de 7 mil vagas de vereadores -, mas também porque dá o direito de contratar grande quantidade de assessores sem concurso público, nos cargos de natureza especial (CNEs). O presidente tem direito a 46 CNEs. Os demais integrantes da Mesa, a 33 cada um. Para cada um dos quatro suplentes, mais 11 cargos.Na chapa, o PMDB terá a presidência e abre mão de outras vagas para aliados. O PT ficará com dois cargos, a vice-presidência e a Terceira-Secretaria. Para o PSDB, ficou a Primeira-Secretaria, uma espécie de prefeitura da Câmara. Para o DEM, a segunda-vice presidência, que abrange a Corregedoria-Geral.O PR, depois da desistência da candidatura do deputado Milton Monti (SP), levou a Segunda-Secretaria e o PTB, a Quarta-Secretaria. O candidato do PMDB concorrerá com um companheiro de partido, o primeiro-secretário da Câmara, Osmar Serraglio (PR), que lançou ontem uma candidatura avulsa. Também disputam Aldo Rebelo (PC do B-SP), ex-presidente da Câmara, e Ciro Nogueira (PP-PI), ex-corregedor-geral.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.