Temer fará reunião ministerial antes de viajar para a China

Presidente deve fazer um balanço das ações do governo e estabelecer metas para o ano que vem

Isadora Peron, Breno Pires e Fernando Nakagawa, O Estado de S. Paulo

27 Agosto 2017 | 18h50

Brasília - Na véspera de sua viagem para China, o presidente Michel Temer vai realizar nesta segunda-feira, 28, uma reunião ministerial no Palácio do Planalto. O objetivo, segundo um assessor palaciano, é reunir ministros e presidentes de outros órgãos, como o Banco Central e o BNDES, para fazer um balanço das ações do governo e estabelecer metas para o ano que vem.

A reunião, marcada para as 15h, é mais uma tentativa de retomar a agenda positiva do governo, e será a primeira depois que a denúncia apresentada contra Temer por corrupção passiva foi derrubada na Câmara, em 2 de agosto.

O presidente quer começar a sinalizar que o governo tem projetos sólidos e que 2018, quando ocorrem as eleições, será o ano da retomada do crescimento econômico.

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, que inicialmente tinha um compromisso em São Paulo, cancelou a agenda e irá participar do encontro.

China. Temer embarca para a China na terça-feira, 29, para participar da reunião do BRICS, grupo que reúne Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. Vai levar na bagagem as possibilidades de negócios abertas após os anúncios das privatizações, como a Eletrobras, e das concessões de aeroportos.

Ele se encontrou neste domingo com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), para discutir as pautas prioritárias para o governo enquanto estiver longe do País, já que só retorna ao Brasil no dia 6 de setembro. Enquanto isso, Maia ocupará interinamente a Presidência da República.

Nesta semana, o governo espera realizar votações importantes no Congresso, como a aprovação do projeto que altera as metas fiscais de 2017 e 2018 e a conclusão do debate da Medida Provisória que cria a Taxa de Longo Prazo (TLP), nova taxa de juros para empréstimos do BNDES.

O Planalto também espera avançar com a discussão sobre o programa de parcelamento de débitos tributários, o Refis.

Mais conteúdo sobre:
Michel TemerRodrigo Maia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.