Temer fala em 'medidas singelas' de responsabilidade social em evento de entrega de ambulâncias

Presidente evitou comentar entrega de sua defesa à Câmara sobre a segunda denúncia contra ele por organização criminosa e obstrução de justiça

Ricardo Galhardo, O Estado de S.Paulo

04 de outubro de 2017 | 19h28

Em discurso de sete minutos em evento de São Paulo, nesta quarta-feira, 4, o presidente Michel Temer não comentou a entrega de sua defesa à Câmara e preferiu falar apenas das realizações de seu governo.

O presidente caracterizou a entrega das 225 ambulâncias como medidas “triviais e singelas, quase frugais”, mas que “dão resultado” para exemplificar o que chamou de “responsabilidade social” de sua gestão.

+ Temer é recebido por manifestantes do MTST em São Paulo

“Temos a chamada responsabilidade fiscal mas também não nos olvidamos, esquecemos, da responsabilidade social”, disse o presidente.

A cerimônia, realizada no galpão uma concessionária da Mercedes Benz, no bairro do Limão, contou com a presença de prefeitos e vereadores do interior paulista que, segundo o presidente, vão poder exibir as novas ambulâncias em suas cidades, além de deputados, do ministro da Saúde, Ricardo Barros e a senadora Marta Suplicy (PMDB-SP).

De acordo com Temer, a meta do governo é entregar uma nova ambulância a cada município brasileiro.

+ Temer cancela viagem ao ABC para evitar protesto de sem-teto

Durante a cerimônia foi possível ouvir os gritos de cerca de 300 manifestantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) que protestavam pela desapropriação de um terreno onde 7 mil famílias estão acampadas há um mês em São Bernardo do Campo e liberação de verbas para o Minha Casa Minha Vida.

Segundo fontes do Palácio do Planalto, a cerimônia deveria acontecer na cidade do ABC mas foi transferida para São Paulo justamente por causa do risco de protestos do MTST.

O ministro Barros negou. De acordo com ele, a fábrica da Mercedes não tem espaço suficiente para as 225 ambulâncias e por isso o local do evento foi alterado.

Barros disse que nem ele nem Temer ouviram a manifestação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.